Conteúdo Patrocinado
Oferecido por AppsFlyer

Aplicativos de finanças no Brasil: downloads dobraram nos últimos dois anos

Estudo inédito da AppsFlyer traz impressionantes dados do mercado de aplicativos financeiros para ajudar na estratégia de aquisição de usuários.

Aprenda a investir na bolsa

O Brasil é o terceiro país que mais instala aplicativos de finanças no mundo. 8,5% de todas as instalações no Brasil são aplicativos financeiros, mais que o dobro da taxa global.

70% dos aplicativos financeiros disponíveis no país são bancos digitais (com pouca ou nenhuma presença física) e bancos tradicionais.

Essas informações foram divulgadas hoje pela AppsFlyer em um estudo de aplicativos financeiros do Brasil e no mundo, e mostram que o brasileiro está mais confiante nas Fintechs.

Aprenda a investir na bolsa

Competir por downloads e conhecer a fundo o comportamento do usuários de um app em meio a um mercado em franco crescimento é o foco dos times de marketing de Aquisição de Usuários.

Com foco nos bastidores do crescimento dos apps financeiros, a AppsFlyer, empresa líder global de atribuição e análise de dados de aplicativos, presente em 98% dos smartphones de todo o mundo, lançou o estudo “Estado do marketing de apps de finanças”, que avaliou, em todo o mundo, 4,6 bilhões de instalações de aplicativos financeiros, 2 bilhões de instalações não-orgânicas (advindas de publicidade) e 3 mil aplicativos com no mínimo mil downloads por mês, em categorias que vão desde bancos digitais e tradicionais, até investimentos e empréstimos.

“O objetivo do estudo é oferecer aos profissionais de marketing de aplicativos financeiros insights práticos acionáveis para expandir seus negócios”, diz Daniel Simões, diretor da AppsFlyer no Brasil.

O estudo está disponível gratuitamente para profissionais interessados nos levantamentos, que passam também pelo aumento dos custos de mídia e crescimento de investimentos em downloads não orgânicos.

O estudo mostra que em todo o mundo, as fintechs aumentaram sua participação no mercado de instalação em quase 80% em 2019, o dobro da taxa de crescimento de 2018.

Quase 5 em cada 100 aplicativos baixados no mundo em 2019 foram aplicativos de finanças, no Brasil, 8 em cada 100.

PUBLICIDADE

Esse salto é impulsionado em grande parte por empreendedores mobile que estão desenvolvendo serviços financeiros novos, inteligentes e fáceis de usar, com base de usuários cada vez maior.

Isso demonstra claramente que esses usuários confiam mais em maneiras não tradicionais de gerenciar dinheiro.
O recorte do estudo para o Brasil avaliou 800 milhões de instalações, 150 milhões de abertura de apps e 60 milhões de usuários ativos diariamente.

Além dos impressionantes 70% de aplicativos financeiros serem de bancos (tradicional e digital), o levantamento mostra que há 15% de apps de investimentos e outros 15% que são de serviços financeiros.

O Brasil é o terceiro país que mais instala apps financeiros, atrás da China e Indonésia.

De 2017 até 2019, aumentaram o número de downloads em 4,5 vezes no país.

33% de todas as instalações de aplicativos financeiros no Brasil são de bancos digitais e 28% de bancos tradicionais.

Afinal, os bancos digitais são soluções bancárias atraentes para os 45 milhões de ‘sem banco’ ou ‘sub-banco’ no país, oferecendo taxas baixas, idade média jovem (32 anos) no Brasil, sendo um público mais familiar com a tecnologia, alta adoção de smartphones com conexão à Internet, facilidade de uso geral e falta de burocracia.

Em compensação, usuários de apps de bancos tradicionais usam o aplicativo mais vezes ao mês. Isso porque utilizam o app para checagem da conta, pagamentos e outras transações ligadas ao banco tradicional.

PUBLICIDADE

A média de abertura do app em 30 dias é de 5,3 dias, contra 4,2 dias de abertura por mês dos apps de bancos digitais.

Nessa corrida pelos usuários, os Bancos Digitais (com pouca ou nenhuma presença física) investem mais em publicidade para aquisição de novos clientes: 49% das instalações de apps dessa categoria não são orgânicas.

Por conta da alta concorrência, a mídia está ficando mais cara (pagava-se US$1,09 por clique em janeiro de 2019 chegando a US$2,46 por clique em dezembro).

Por ser um mercado com tanto investimento em aquisição de usuários, natural que haja alta taxa de fraude de instalações (quando são feitos downloads falsos e o app paga por resultados de campanha fraudulentos).

Os formatos de fraude estão evoluindo, e o estudo aponta algumas delas para colaborar com a tomada de decisão do marketing dos aplicativos de finanças.

Clique aqui e veja o estudo completo.

Importante: A publicação acima é um conteúdo patrocinado, sendo que a Infostocks Informações e Sistemas Ltda. (“InfoMoney”) não tem qualquer responsabilidade pelo conteúdo e informações disponibilizadas, não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações, não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. O autor ou empresa responsável pelo conteúdo estão indicados na própria publicação.