Yuan digital já é usado por 140 milhões de usuários, diz banco central da China

Projeto está em testes desde o ano passado e acumula US$ 9,7 bilhões em transações realizadas

Paulo Barros

Getty Images

Publicidade

SÃO PAULO – O yuan digital, versão da moeda chinesa que roda em blockchain, atingiu a marca de 140 milhões de contas ativas, revelou um alto executivo do Banco Popular da China (PBoC, na sigla em inglês). Esses usuários já movimentaram o equivalente a cerca de US$ 9,7 bilhões.

Os números expressivos de adesão são provenientes de testes realizados pelo governo em várias regiões do país desde o ano passado. Em novembro de 2020, a moeda digital registrava US$ 300 milhões movimentados.

Os experimentos se intensificaram em 2021. Em junho, por exemplo, residentes da província de Shanghai receberam US$ 3 milhões em yuan digital em uma carteira oficial.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A autoridade monetária vem distribuindo o recurso para cidadãos para que gastem em alimentação, transporte, varejo e serviços governamentais, entre outros. Até agora, 1,55 milhão de estabelecimentos já podem aceitar pagamentos em yuan digital.

Mu Changchun, diretor-geral do instituto de moeda digital do banco central chinês, disse no evento “Fintech Week”, realizado em Hong Kong, que, apesar do avanço, o yuan digital ainda não tem data de lançamento.

A moeda digital chinesa é o projeto de moeda digital de banco central (CBDC, na sigla em inglês) mais avançado no mundo. O ativo, também conhecido como e-CNY, digitaliza a moeda fiduciária do país, que é emitida diretamente pelo banco central para o cidadão na ponta.

Continua depois da publicidade

Em relatório divulgado em agosto, a agência de risco Moody’s afirmou que a tecnologia deverá ajudar bancos a recuperarem terreno perdido para fintechs.

“Esperamos a adoção do e-CNY para ajudar a reforçar a posição dos bancos no sistema de pagamentos, pois aumentará sua capacidade de coleta de dados e ampliará suas bases de usuários”, disse o documento.

No Brasil, o Banco Central dá seguimento nas discussões sobre o real digital como uma nova fase de uma era de pagamentos digitais inaugurada pelo Pix. O Bacen, no entanto, já revelou que quer ir além e estuda integrar ao projeto soluções do setor de finanças descentralizadas (DeFi).

A expectativa é que a primeira prova de conceito do real digital seja apresentada em 2022.

(Com Reuters)

Até onde vai o Bitcoin? Especialista da Levante dá aula gratuita sobre o futuro da criptomoeda. Clique aqui para assistir

Paulo Barros

Editor de Investimentos