Ações de educacionais sobem após governo lançar “Fies Social”; Ser destoa e cai 5,41%

O Fies Social poderá conceder 100% de financiamento dos encargos educacionais cobrados por instituições de ensino superior (IES), a partir do segundo semestre de 2024

Equipe InfoMoney

(Getty Images)

Publicidade

As ações de empresas de educação registraram uma sessão de ganhos na Bolsa após o lançamento pelo governo federal nesta sexta-feira do “Fies Social”, programa que busca garantir condições especiais de acesso ao Fundo de Financiamento Estudantil por estudantes com renda familiar per capita de até 0,5 salário-mínimo e inscritos no Cadastro Único. Yduqs (YDUQ3) subiu 2,52% (R$ 19,10), e Cogna (COGN3) avançou 2,11% (R$ 2,42).

Fora do índice, Anima (ANIM3) teve alta de 5,19% (R$ 4,46), enquanto Cruzeiro do Sul Educacional (CSED3) saltou 5,60% (R$ 4,15). As ações das companhias chegaram a perder força no início do pregão, às 10h30, depois da divulgação de uma inflação ao produtor acima do esperado nos EUA, o que afeta as ações de setores cíclicos por aqui, mas logo retomaram os ganhos.

A Ser Educacional (SEER3), por sua vez, destoou do setor: após chegar a subir 2,87%, as ações viraram para queda e fecharam em baixa de 5,41% (R$ 5,60) sem motivo aparente, segundo analistas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Impacto do Fies Social no setor

O Fies Social poderá conceder 100% de financiamento dos encargos educacionais cobrados por instituições de ensino superior (IES), a partir do segundo semestre de 2024, segundo a resolução publicada no Diário Oficial da União, que condiciona os recursos à disponibilidade orçamentária.

O Citi vê que, embora a remoção potencial do copagamento dos estudantes deva ser positiva para impulsionar a ocupação atual do programa, detalhes limitados sobre o tamanho potencial e a contribuição para dívidas incobráveis das empresas dificultam a compreensão de seu impacto potencial neste momento.

Continua depois da publicidade

“Além disso, o financiamento estará sujeito a condições orçamentais, o que também pode sinalizar austeridade…para os próximos três anos – em linha com os anos recentes”, afirmaram Leandro Bastos e Renan Prata em relatório enviado a clientes do banco nesta sexta-feira.

Os analistas acrescentaram que o limite de renda mais baixo de 0,5 salário mínimo versus três para o Fies atualmente pode sugerir um maior foco na população carente, o que pode limitar seu alcance.

Alexandre Pletes, head de Renda Variável na Faz Capital, avalia que o programa social anunciado hoje não tem um grande impacto nas empresas, mas abre uma brecha importante para os próximos passos para o novo Fies.

“O importante desse programa é justamente isso, é o governo se voltando para essa parte da assistência à educação e dando esse primeiro passo. Claro que vai depender de orçamento e de outras medidas que podem ser barradas na hora de passar no Congresso, levando em conta a questão orçamentária. O Brasil tem um problema fiscal a ser combatido, então é um ponto de atenção se será possível emplacar um programa para famílias com uma renda maior”, afirma o analista. Caso a medida passe, o analista vê o impacto como muito positivo para as empresas da Bolsa, como a Yduqs, que está presente em todos os municípios brasileiros com mais 50 mil habitantes, além da Cogna, também bastante presente na maioria dos grandes centros urbanos.

A equipe do Citi aponta que continua vendo um impulso mais ousado em direção a um “Novo Fies” como o principal risco de alta no curto prazo para as ações de ensino superior no Brasil, que nos últimos anos limitaram exposição ao programa e lançaram versões próprias de financiamento após problemas que incluíram inadimplência dos alunos e redução de recursos do governo. “Embora as recentes iniciativas governamentais tenham se centrado mais no ensino fundamental e médio, o decreto de hoje pode sugerir que novas mudanças podem estar nas cartas no curto prazo”, avaliaram, acrescentando que novos termos, condições e escala seguirão fundamentais para avaliarem possíveis implicações.

O Itaú BBA, embora incerto quanto à dimensão que o FIES social possa atingir, vê as recentes notícias como marginalmente positivas para o setor da educação, mantendo uma abordagem cautelosamente otimista em relação às empresas de educação brasileiras e aguardando uma melhor resolução quanto às alterações e restrições a serem impostas à modalidade de ensino a distância.

(com Reuters)