XP: analistas reforçam recomendação de compra para ações e veem possível catalisador

Retorno com dividendos, captação e cenário macro melhor são fatores positivos, enquanto MSCI pode ser gatilho no curto prazo

Lara Rizério

XP Investimentos (divulgação)

Publicidade

De olho no cenário macro, mas também nas iniciativas da companhia, analistas de mercado têm reiterado visão positiva para as ações da XP negociadas na Nasdaq e também para os BDRs (Brazilian Depositary Receipts, recibo de ações dos ativos negociados na B3 de empresas listadas no exterior) XPBR31.

O BTG Pactual reiterou, nesta semana, recomendação de compra para os BDRs, com preço-alvo de R$ 144, após reunião com André Parize e Antonio Guimarães, representantes da área de relações com investidores da instituição. Para as ações listadas na Nasdaq, o preço alvo é de US$ 30 em 12 meses, ou potencial de valorização (upside) de 18% frente o fechamento de terça-feira.

“A principal mensagem foi muito mais foco em eficiência e ROE [retorno sobre o patrimônio líquido] e que o Banco XP se tornará mais relevante, preparando todo o ecossistema XP para se tornar menos cíclico (ao movimento da Selic) e mais resiliente”, apontam os analistas do banco.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com projeção de retorno em dividendos em 3,5% a partir de um pressuposto de pagamento de 50% dos lucros neste ano, e um ROE de 24%, a equipe de análise do BTG vê poucos efeitos negativos para a tese em XP. Além disso, uma captação líquida melhor e a retomada das ofertas públicas de ações (IPO) e subsequentes pelas companhias brasileiras podem levar a XP a ser uma das poucas ações que os analistas cobrem com potencial revisão de alta dos lucros e reclassificação ao prolongar a visão para 2026.

O fim da pressão de venda das ações da XP pela Itaúsa (ITSA4), que praticamente zerou sua posição na instituição, conta como outro ponto a favor.

O ambiente para ativos “de risco” e o sentimento dos investidores melhoraram recentemente, mas a mensagem é que uma melhora mais sensível deve ocorrer no segundo semestre, o que reforça a necessidade de uma supervisão muito rígida sobre os custos no curto prazo, apontam os analsitas. A XP planeja reportar os indicadores-chave de desempenho (ou KPIs) do 4T23 em 22 de janeiro.

Continua depois da publicidade

Os analistas também ressaltam que a XP também expandiu seu ecossistema para outras verticais relacionadas ao setor bancário, como crédito e cartões de crédito, que exigem mais foco na alocação de capital, o foco de cada área, do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ao ROE.

“A XP está muito mais diligente na alocação de capital e nos dividendos, e vemos o ROE aumentando ao longo do tempo. Com a venda do Itaú/Itaúsa praticamente no retrovisor, mantemos nossa [recomendação de] compra”, concluem os analistas.

No fim de 2023, o JPMorgan havia elevada a recomendação para as ações da XP de neutro para overweight (exposição acima da média, equivalente à compra), vendo a companhia como beneficiária do maior volume de ativos de risco do mercado. O preço-alvo foi elevado na ocasião de US$ 27 para US$ 30.

De acordo com compilação LSEG com dez casas de análise que cobrem a ação, nove possuem recomendação de compra ou equivalente, enquanto uma tem visão neutra. O preço-alvo médio é de US$ 29,70, alta de 16% frente o fechamento da véspera.

MSCI pode ser catalisador

Para o curto prazo, analistas destacam que um ponto também a ser monitorado é a possível entrada dos ativos no MSCI (Morgan Stanley Capital International). O benchmark é seguido por muitos fundos de ações passivos, cujas carteiras replicam índices de ações; assim, uma eventual entrada pode impulsionar os ativos.

O MSCI anunciará se as listagens estrangeiras de empresas brasileiras atendem aos critérios em 12 de fevereiro, e, se confirmado, espera-se que as ações se tornem elegíveis durante a revisão de agosto de 2024 (a ser anunciada em 12 de agosto e implementada em 30 de agosto).

O JPMorgan espera que, se a XP entrar no MSCI, o fluxo seria correspondente a cerca de seis dias de negociação (levando em conta a média diária). Para o Morgan Stanley, o fluxo seria ainda maior, de cerca de dez dias.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.