Wells Fargo, JPMorgan, Citi e BofA inauguram temporada do 4º tri nos EUA: confira os destaques dos resultados

No geral, lucro dos bancos foi beneficiado com alta de juros, mas operações dos bancos de investimentos impactaram instituições

Equipe InfoMoney

Publicidade

Nesta sexta-feira (13) foi dada a largada para a temporada de resultados dos bancos americanos, com a divulgação dos números de Wells Fargo, JPMorgan, Citi e Bank of America.

No geral, os lucros foram beneficiados pela alta de juros, mas as provisões também aumentaram conforme os bancos se preparam para um cenário econômico mais difícil, ao mesmo tempo que a receita na parte de bancos investimentos têm caído.

Às 10h20 (de Brasília), no pré-mercado da Bolsa de Nova York, o ativo da Wells Fargo tinha baixa de 3,78%, a US$ 41,21, a ação do Citigroup caía 1,71%, cotada a US$ 48,25, enquanto o JPMorgan tinha perdas de 2,98%, a US$ 135,33. Já os ativos do Bank of America subiam 0,60%, a US$ 18,56.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Confira os destaques dos balanços:

Bank of America

O Bank of America (BofA) registrou lucro líquido de US$ 7,1 bilhões no quarto trimestre de 2022, ou US$ 0,85 por ação diluída. O resultado ficou um pouco acima dos US$ 7,0 bilhões, ou US$ 0,81 por ação diluída, de igual período de 2021. Analistas ouvidos pelo FactSet previam US$ 0,77.

Continua depois da publicidade

A receita do banco foi de US$ 24,5 bilhões nos últimos três meses do ano passado, um crescimento anual de 10%. O balanço também mostrou um crescimento forte na previsão para perdas com crédito, a US$ 1,1 bilhão.

O banco foi ajudado por um aumento na receita líquida de juros, já que o Federal Reserve dos Estados Unidos elevou as taxas ao longo de boa parte do ano passado.

O ambiente de taxas “mais altas por mais tempo” para combater a inflação de décadas sustentou os lucros dos bancos de consumo, com analistas esperando que esses ganhos atinjam o pico em 2023 e ajudem a compensar operações mais lentas, bem como maiores provisões para perdas com empréstimos.

A receita líquida de juros (NII) do Bank of America, que reflete quanto dinheiro o banco ganha com a cobrança de juros aos clientes, saltou 29%, para US$ 14,7 bilhões no trimestre.

Embora as altas taxas de inflação em quatro décadas estejam testando os consumidores dos EUA, as tendências de gastos ainda têm sido amplamente positivas, reforçando o lucro do Bank of America em sua principal unidade de banco de consumo.

“O consumidor ainda permanece com boa atividade”, disse o diretor financeiro Alastair Borthwick. “Há muita demanda reprimida”, especialmente para viagens, disse ele.

O lucro líquido da unidade de banco de consumo do banco saltou 15%, para um recorde de US$ 3,6 bilhões no trimestre. Os gastos combinados com cartões de crédito e débito aumentaram 5%, para US$ 11 bilhões.

“Encerramos o ano com uma indicação forte, aumentando os lucros ano após ano no quarto trimestre em um ambiente econômico cada vez mais lento”, disse o presidente-executivo Brian Moynihan em comunicado.

As perspectivas econômicas pioraram em 2022, quando o conflito Rússia-Ucrânia, a alta inflação e os crescentes temores de uma recessão levaram os credores a fazer maiores reservas para empréstimos ruins e também lançaram uma sombra sobre os mercados de capitais, reduzindo o apetite dos investidores por negócios e sobrecarregando as unidades bancárias de investimento. .

As taxas de banco de investimento do Bank of America caíram mais da metade, para US$ 1,1 bilhão no trimestre, tirando um pouco do brilho de seu negócio de consumo.

A receita em seus negócios de mercados globais, que inclui banco de investimento, caiu 25%, para US$ 504 milhões.

A provisão do banco para perdas de crédito foi de US$ 1,1 bilhão, em comparação com uma liberação de reserva de US$ 500 milhões no trimestre do ano anterior.

A receita do Bank of America em seus negócios globais de gerenciamento de patrimônio e investimentos caiu 2%, enquanto o setor bancário global caiu 5%.

Borthwick disse que o banco continua a contratar, principalmente na gestão de fortunas, ao mesmo tempo em que permanece disciplinado em suas despesas. “Não temos planos para demissões em massa”, disse ele.

Isso contrasta com o Goldman Sachs, que começou a demitir mais de 3 mil funcionários esta semana.

JPMorgan

O JPMorgan Chase (JPM) divulgou um lucro líquido acima do esperado pelo consenso de mercado nesta manhã de sexta-feira (13), com ganho de US$ 11 bilhões no quarto trimestre, o equivalente a US$ 3,57 por ação. No mercado, as estimativas apontavam para um lucro de US$ 3,11.

O JPMorgan Chase teve alta de 6% dos lucros no quarto trimestre de 2022 em relação ao ano anterior, já que as taxas de juros mais altas ajudaram a compensar uma desaceleração nas negociações em seu banco de investimento. O banco também reservou mais de US$ 2 bilhões para cobrir possíveis empréstimos ruins e perdas em preparação para uma possível recessão.

O banco com sede em Nova York faturou US$ 11,0 bilhões no último trimestre, ante US$ 10,4 bilhões no mesmo período do ano anterior. O lucro por ação foi de US$ 3,57 por ação, em comparação com US$ 3,33 por ação em 2021, muito melhor do que os US$ 3,08 por ação que os analistas esperavam.

O maior propulsor dos lucros do JPMorgan neste trimestre foram as taxas de juros mais altas. O banco, assim como seus concorrentes, foi ajudado consideravelmente pelo Federal Reserve elevando as taxas agressivamente para combater a inflação. A receita líquida de juros do JPMorgan foi de US$ 20,3 bilhões, um aumento de 48% em relação ao ano anterior.

Mas, ao mesmo tempo em que os aumentos de juros do Fed ajudaram os resultados do JPMorgan, a chance de o Fed levar a economia dos EUA à recessão também aumentou. O JPMorgan reservou US$ 1,4 bilhão para cobrir empréstimos potencialmente inadimplentes e incorreu em cerca de US$ 900 milhões em baixas de cobrança. O banco disse que precisa reservar mais para cobrir empréstimos ruins devido a “uma modesta deterioração” nas perspectivas econômicas da empresa, que agora prevê uma recessão “leve”.

“A economia dos EUA continua forte atualmente, com os consumidores ainda gastando dinheiro em excesso e os negócios saudáveis”, disse Jamie Dimon, presidente e CEO do JPMorgan Chase, em comunicado. “No entanto, ainda não sabemos o efeito final dos ventos contrários vindos das tensões geopolíticas, incluindo a guerra na Ucrânia, o estado vulnerável dos suprimentos de energia e alimentos, a inflação persistente que está corroendo o poder de compra e elevou as taxas de juros, e o aumento sem precedentes aperto quantitativo”.

O declínio do mercado no ano passado atingiu o banco de investimento do JPMorgan de forma particularmente dura no último trimestre. O banco reportou uma queda de 27% nos lucros em seu banco corporativo e de investimento, causado principalmente por uma queda de mais de 50% nas receitas de taxas de banco de investimento. A negociação no ano passado desacelerou consideravelmente, já que muitas empresas optaram por adiar grandes movimentos devido aos aumentos de juros do Fed.

Wells Fargo

O lucro do Wells Fargo no quarto trimestre ficou acima das metas de Wall Street, mas foi cerca de metade do registrado no ano passado, já que o banco teve que pagar outros US$ 3,3 bilhões em multas e penalidades.

Wells ganhou $ 2,86 bilhões, ou 67 centavos por ação, no último trimestre de 2022. Os analistas esperavam um lucro de 60 centavos por ação. No ano passado, o banco faturou US$ 5,75 bilhões no quarto trimestre, ou US$ 1,38 por ação.

A receita de US$ 19,66 bilhões ficou aquém das projeções de Wall Street de US$ 20 bilhões, bem como dos US$ 20,86 bilhões registrados no mesmo trimestre do ano passado.

Wells disse que as perdas relacionadas a questões regulatórias foram iguais a cerca de 70 centavos por ação.

O banco com sede em San Francisco, que até recentemente era o maior credor hipotecário dos Estados Unidos, disse no início desta semana que planeja reduzir drasticamente seu negócio de empréstimos hipotecários. A Wells disse que está encerrando seu negócio de empréstimos correspondentes e reduzindo o tamanho de sua carteira de serviços de empréstimos para se concentrar em seus clientes existentes e expandir seu alcance em comunidades carentes. O banco também lançou um punhado de novos produtos de cartão de crédito no ano passado e disse que planeja lançar mais em 2023.

Wells Fargo alcançou US$ 13,4 bilhões em receita líquida de juros no período, superando largamente os US$ 9,3 bilhões do mesmo período do ano anterior.

O banco, como outros, se beneficiou dos aumentos agressivos das taxas de juros do Federal Reserve.

A instituição financeira ainda está tentando lidar com as rígidas diretrizes federais impostas em 2018, que estabelecem seu limite de ativos em pouco menos de US$ 2 bilhões após uma série de escândalos, incluindo a descoberta de milhões de contas bancárias falsas que seus funcionários abriram para atender às cotas de vendas. Esperava-se que esse pedido durasse apenas um ou dois anos, mas escândalos adicionais surgiram e os reguladores estão céticos sobre os esforços do banco,

No mês passado, a Wells Fargo concordou em pagar US$ 3,7 bilhões para liquidar as acusações de que prejudicou os clientes cobrando taxas ilegais e juros sobre empréstimos e hipotecas de automóveis, bem como aplicando incorretamente taxas de cheque especial contra poupança e contas correntes.

Wells foi condenado a reembolsar US$ 2 bilhões aos consumidores pelo Consumer Financial Protection Bureau, que também decretou uma multa de US$ 1,7 bilhão contra o banco de San Francisco. É a maior multa já aplicada contra um banco pelo CFPB e a maior contra Wells.

Os reguladores dos EUA descobriram que, em 2016, os funcionários da Wells abriram milhões de contas ilegalmente para atingir metas de vendas irrealistas. Desde então, os executivos disseram repetidamente que Wells está regularizando sua atuação.

Citigroup

O Citi obteve lucro líquido de US$ 2,5 bilhões no quatro trimestre de 2022 (4T22), ou US$ 1,16 por ação, um recuo de 21,9% frente ao lucro de um ano antes, de US$ 3,2 bilhões, ou US$ 1,46 por ação.

Segundo o banco, o desempenho foi afetado principalmente pelo custo mais alto do crédito, resultante em grande parte do crescimento dos empréstimos no PBWM e da deterioração das condições macroeconômicas, parcialmente compensadas pelas maiores receitas e menores despesas.

O banco reportou lucro líquido de US$ 14,8 bilhões no acumulado do ano, em comparação com o lucro líquido de US$ 22,0 bilhões para todo o ano de 2021.

Por outro lado, a receita líquida subiu 5,9% na comparação anual, de US$ 17 bilhões para US$ 18 bilhões.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)