Ações da WEG (WEGE3) chegam a saltar 5% após firmar parceria com Petrobras (PETR4) de R$ 130 milhões

Investimentos da petroleira ocorrerão pelos próximos 25 meses; projeto que já está em andamento pela WEG

Felipe Moreira

Publicidade

As ações da WEG (WEGE3) tiveram destaque de ganhos da Bolsa nesta quarta-feira (13), após a fabricante de motores elétricos e a Petrobras (PETR4) firmaram uma parceria estratégica para o desenvolvimento de aerogerador onshore de 7 Megawatts (MW), o primeiro desse porte a ser fabricado no Brasil.

A estatal investirá aproximadamente R$ 130 milhões, nos próximos 25 meses, no projeto que já está em andamento pela WEG.

Os papéis da WEG chegaram a saltar mais de 5%, porém reduziram ganhos ao longo da tarde. Os ativos fecharam o pregão em alta de 3,59%, a R$ 36,93.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo comunicado, o acordo abrange o desenvolvimento de tecnologias para a produção dos componentes do aerogerador, adequados às condições eólicas brasileiras, bem como a construção e testes de um protótipo, com contrapartidas técnicas e comerciais para a Petrobras.

WEG (WEGE3) prevê produção em série

A WEG prevê que a produção em série deste equipamento será realizada a partir de 2025.

“Além de seu papel na expansão da energia eólica onshore nacional com o desenvolvimento do aerogerador de 7 MW, esta parceria também prevê a colaboração na avaliação da cadeia de suprimentos e logística para a geração de energia eólica offshore no Brasil”, diz comunicado.

Continua depois da publicidade

Retorno atrativo

Em relatório, o Bradesco BBI aponta que a WEG tem todas as capacidades para desenvolver turbinas eólicas offshore e obter um retorno atrativo e mitigar os riscos de P&D, já que este projeto poderia ser financiado pela Petrobras e pelo BNDES.

“Além disso, lembramos que em março de 2023, a Petrobras e a Equinor anunciaram um memorando de entendimento para investir na construção de sete parques eólicos offshore com capacidade de até 14,5 GW. Portanto, caso a WEG decidisse entrar neste mercado, esta nova turbina eólica offshore começaria a funcionar com um grande pedido da Petrobras e da Equinor”, destaca a análise.

Para o BBI, com esse negócio, a WEG está “mantendo seu foco em turbinas eólicas onshore e espera-se que os R$ 130 milhões a serem recebidos da Petrobras ajudem a acelerar o desenvolvimento de sua nova turbina eólica onshore de 7 MW.”

Por fim, a casa de análise aponta que o acordo com a Petrobras para turbinas eólicas offshore pode criar uma oportunidade para a WEG reavaliar sua estratégia para o mercado de energia eólica offshore.