Vibra sobe o tom contra relação de troca proposta pela Eneva, mas sinaliza interesse na fusão

Distribuidora classificou de "injustificável" os termos de troca propostos

Felipe Moreira | Rikardy Tooge

Publicidade

O Conselho de Administração da Vibra (VBBR3) rejeitou a proposta para combinação de negócios apresentada pela Eneva (ENEV3) à companhia no último domingo (26).  A relação de troca indicada na proposta é “injustificável” e não é atrativa para os acionistas, de acordo com fato relevante divulgado pela Vibra no fim da tarde desta terça-feira (28).

A proposta recusada pela Vibra contemplava a incorporação de ações da Eneva pela distribuidora (ou outra estrutura estabelecida em comum acordo). Ao término do processo, os acionistas de cada companhia passariam a deter 50% do total das ações da companhia combinada. Na data da oferta, a Vibra apresentava um valor de mercado 25% superior ao da Eneva.

Embora o conselho de administração da Vibra tenha negado a primeira proposta, o comunicado sinalizou de que as negociações deverão seguir. Na reportagem que abriu a newsletter diária do IM Business desta terça, uma fonte graduada havia cravado: “Começaram as discussões de preço, o que é comum para fusões dessa monta”.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Pessoas a par da oferta já sinalizavam que as conversas iriam mais para as condições do negócio do que para o mérito da fusão em si – visão que foi partilhada pelo mercado. Há meses os conselheiros das duas empresas estão considerando o assunto até a apresentação da proposta oficial na noite do último domingo.

A relação de troca, em que a Vibra, com valor de mercado 25% maior, teria a mesma participação da Eneva na empresa combinada não agradou e foi o trecho em que a antiga BR Distribuidora subiu o tom. Se a Vibra adotou postura mais firme na relação de troca, por outro lado demonstrou interesse em receber maiores explicações sobre o modelo de governança.

“Não entramos no mérito estratégico de uma possível fusão neste momento […]. Entendemos ser essencial maior esclarecimento sobre o modelo de governança pretendido, caso a combinação de negócios venha eventualmente a ser consumada. Acreditamos muito na relevância de uma sólida estrutura de governança, porque aí reside boa parte do valor a ser criado”, conclui a Vibra.

Continua depois da publicidade

Em seu comunicado, a Vibra deixou uma “porta aberta” para a Eneva melhorar a proposta e que seu conselho  “estará atento a uma eventual nova manifestação da Eneva, caso seja de seu interesse melhorar significativamente os termos apresentados (…)”.