GPA, Carrefour e mais: o que fez as ações de varejo saltarem até 11% na sessão desta sexta

Entre as maiores altas do Ibovespa nesta sexta-feira estão os papéis do GPA, do Magazine Luiza e do Carrefour

Vitor Azevedo

Publicidade

As ações das varejistas são destaques entre as altas do Ibovespa nesta sexta-feira (12), na esteira de algumas notícias positivas para o setor. Queda dos juros futuros, tributação de compras cross-border abaixo de US$ 50 e alguns dados macroeconômicos foram  os motivos apontados por analistas para as altas.

Por volta das 12h, os papéis do GPA (PCAR3), do Magazine Luiza (MGLU3) e do Carrefour (CRFB3) subiram, respectivamente, 11,17%, cotados a R$ 4,08; 3,67%, a R$ 2,26; e 4,97%. a R$ 12,25.

No primeiro ponto, em relação aos juros, o mercado brasileiro segue os Estados Unidos, onde os rendimentos pagos pelos títulos do tesouro caem após a publicação da inflação ao produtor de dezembro, que trouxe queda de 0,1%, abaixo da alta de 0,1% esperada e sinalizando uma deflação.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Veio melhor do que o esperado, o que é um indicativo positivo. O mercado segue majoritariamente acreditando que o Federal Reserve começará a cortar juros em março. Isso é bom para ativos de risco como um todo. A gente está vendo uma descompressão”, fala Fernando Ferrer, analista da Empiricus Research.

Essa baixa traz também uma folga para a curva brasileira. Se o Federal Reserve iniciar seu ciclo de corte, isso tira pressão do Banco Central brasileiro, como, por exemplo, por conta do câmbio – que sofre influência direta do diferencial de juros entre os dois países.

Victor Bueno, sócio e analista de Ações da Nord Research, destaca também a publicação do Stone Varejo. O índice da adquirente para o setor sinalizou ontem que houve uma alta de 1,8% das vendas em dezembro.

Continua depois da publicidade

“Esse índice já tinha apresentado um aumento no mês de novembro, então é uma continuidade, um movimento de recuperação. Isso é muito positivo. Mesmo que no ano tenha fechado, no acumulado, com uma queda de 1,3%, esses últimos dados, principalmente em dezembro, mostram uma recuperação”, contextualiza.

Por fim, há também a especulação de que o governo estuda a taxação de compras internacionais abaixo de US$ 50. De acordo com o jornal Estado de São Paulo, autoridades do executivo e do congresso estudam uma nova mudança das regras para compensar a permanência da desoneração da folha de pagamento.

“Essa possível medida favorece principalmente as varejistas de moda e alguns marketplaces brasileiros, que estão sofrendo um pouco da concorrência dos marketplaces asiáticos”, fala Alberto Serrentino, consultor de varejo e fundador da Varese Retail. “Mas, fora isso, há uma perspectiva geral de que o cenário para o varejo está mais positivo e vemos uma recuperação das empresas, que sofreram bastante no ano passado”.

Cabe destacar ainda que, no caso do Carrefour, as ações tiveram a recomendação elevada para equivalente à compra pelo Itaú BBA.

“Nossa postura otimista em relação à empresa é respaldada pela nossa crença de que o momento operacional se beneficiará de uma reversão da tendência deflacionária nos alimentos observada em 2023, além do ponto positivo de que a empresa não tem sido afetada pelo debate sobre o ICMS, o que poderia resultar em pressão tributária sobre a maioria dos varejistas. Acrescentamos ainda a adoção de uma estratégia mais racional de alocação de capital, focada na conversão de mais hipermercados em formatos mais bem-sucedidos e a significativa depreciação atual de seu lucro líquido, que poderia ser impulsionado por notícias operacionais positivas”, avalia o banco.

O GPA publicou edital de segunda convocação da Assembleia Geral Extraordinária (AGE), que deve ser realizada em 22 de fevereiro, às 11 horas, a fim de deliberar sobre aumento do limite de capital autorizado da companhia.

A AGE tratará ainda de potencial alteração do número de co-vice-presidentes e da competência para indicação do presidente e do vice-presidente do Conselho de Administração.

(com informações do Estadão Conteúdo)