Vamos (VAMO3): BBI e BBA enxergam compra de frota do Grupo Petrópolis como positiva; ações caem

A empresa de transporte pretende adquirir os caminhões e alugar para a cervejaria

Camille Bocanegra

Publicidade

O Grupo Vamos (VAMO3) anunciou acordo para aquisição de frota de caminhões do Grupo Petrópolis, companhia focada em bebidas. O acerto foi realizado por meio de proposta vinculante e acontece como parte do plano de recuperação judicial da Petrópolis.

A aquisição engloba 2.926 caminhões por R$ 576,2 milhões e deve ser concluída em até 90 dias, já que depende de acertos judiciais para que a transição seja validada.

“Além da transação bem estruturada, a Vamos reduzirá substancialmente seu próprio estoque de caminhões Euro 5 e garantirá 12% do crescimento estimado da receita de aluguel para 2024 com um único contrato”, destacou o Bradesco BBI, em relatório.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Operação positiva para VAMO3

A operação foi recebida como positiva em análises do Itaú BBA e do Bradesco BBI, uma vez que garantiria a compra da frota e a disponibilização para uso por aluguel para a cervejaria.

Uma pequena parte dos veículos seria vendida para o mercado secundário. A estratégia não é recente e a Vamos já realizou a mesma operação com outras empresas em recuperação judicial, com desfecho positivo.

“Em resumo, a transação ajuda a Vamos a cumprir seu crescimento de capex sem sacrificar retornos ou qualidade. Para uma ação que tem sofrido com o fraco sentimento dos investidores, acreditamos que este seja um passo importante para recuperar esse valor intangível”, diz o BBA.

Continua depois da publicidade

Mesmo com avaliação positiva da operação, as ações da empresa registram queda de 0,75%, cotadas a R$ 10,65. O papel ingressou no Ibovespa nesta semana e acumula desvalorização de 9% em setembro e de 15,6% em 2023.

VAMO3: Salvaguardas

O BBI entende também que o acordo possui várias salvaguardas para proteger a Vamos, o que é desejável considerando a condição atual da cervejaria, que é dona da Itaipava e apresentou um segundo plano de recuperação judicial.

Entre os pontos que o Itaú considerou importantes estão os que tratam do valor dos ativos adquiridos com desconto, o colateral total e a TIR nominal não alavancada implícita no contrato, que é de 23,8%.

“Em nossa opinião, esta é uma maneira para a Vamos cumprir suas promessas de acompanhamento (o valor da transação representa cerca de 70% dos recursos da oferta), com execução mais rápida do que o esperado. Por outro lado, isso não parece significar uma aceleração do crescimento, pois o plano de negócios permanece inalterado”, entende o BBA.

BBI e BBA seguem otimistas com o nome

O Itaú entende também que a ação poderá se beneficiar da percepção melhorada junto aos investidores e, assim, o banco continua otimista com o nome.

“Reiteramos nossa classificação de Outperform (desempenho acima da média, similar à compra) para VAMO3 e observamos que ela se juntou oficialmente ao índice Ibovespa este mês”, afirma o BBA, com preço-alvo fixado em R$ 18,00. A classificação do BBI é a mesma, com preço-alvo para fim de 2024 em R$ 21,00.