Usiminas (USIM5): Ternium faz acordo para comprar fatia da Nippon Steel na siderúrgica e assumir grupo de controle

Com isso, após a conclusão do negócio, a participação total da Ternium no grupo de controle da Usiminas será de 61,3%.

Equipe InfoMoney

Publicidade

O grupo siderúrgico Ternium anunciou nesta quinta-feira que acertou um acordo com a Nippon Steel para assumir o grupo de controle da Usiminas (USIM5) em uma transação que pode encerrar a influência de décadas do grupo japonês em uma das maiores produtoras de aços planos do Brasil.

O acordo prevê que a Ternium e suas controladas vão comprar um total de 68,7 milhões de ações ordinárias da Usiminas (USIM3) detidas pela Nippon Steel ao preço de R$ 10 por ação ordinária, equivalente a R$ 687 milhões. O papel ON encerrou na véspera a R$ 7,39, enquanto a preferencial USIM5 fechou a R$ 6,83.

Com isso, após a conclusão do negócio, a participação total da Ternium no grupo de controle da Usiminas será de 61,3%, enquanto o grupo Nippon terá 31,7% e o fundo de pensão dos empregados da siderúrgica brasileira 7,1% em um novo acordo de acionistas.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Ternium, após a conclusão do negócio, poderá indicar a maioria dos membros do conselho de administração da Usiminas, além de presidente-executivo e outros quatro membros da diretoria. A Nippon terá direito a indicar o presidente do conselho e diretor de tecnologia e qualidade da Usiminas.

“Considerando o desafiador ambiente de negócios em que a Usiminas está envolvida, NSC (Nippon Steel) e Ternium compartilham o entendimento de que uma liderança mais forte por qualquer dos referidos acionistas se faz necessária para o crescimento ainda maior dos valores corporativos da Usiminas”, afirmou a siderúrgica brasileira em comunicado ao mercado.

“Nesse sentido, ambas as partes compartilham a percepção e concordam que uma nova estrutura de governança em que a Ternium, por ter uma extensa rede de negócios na América Latina, tenha um papel mais importante, beneficiando os interesses de todos na Usiminas”, acrescentou a companhia.

Continua depois da publicidade

Também após a conclusão, a Nippon Steel poderá vender a qualquer tempo suas ações remanescentes no grupo de controle da Usiminas no mercado e a Ternium terá opção de comprá-las ao preço por ação dos 40 dias úteis imediatamente anteriores à data do aviso de saída do grupo japonês.

Afora isso, a Ternium poderá comprar a participação remanescente da Nippon Steel na Usiminas, cerca de 153 milhões de ações ON, a qualquer tempo a partir do segundo ano da conclusão da transação, “pelo valor maior entre o preço de R$ 10 por ação e o valor médio do papel nos 40 dias úteis imediatamente anteriores à data de exercício da opção”.

A Ternium afirmou em comunicado que vai pagar cerca de US$ 111 milhões de dólares por 57,7 milhões de ações ordinárias da Usiminas detidas pela Nippon Steel, elevando sua participação isolada no bloco de controle para 51,5%, com o restante cabendo às suas controladas.

Atualmente o grupo de controle da Usiminas envolve 68,6% das ações ordinárias da empresa e é dividido em: Grupo Nippon (31,45%), Grupo Ternium (32,28%) e Previdência Usiminas (4,84%). Fora do grupo de controle, a Ternium ainda tem 7,29% do capital votante e a Nippon 0,95%, segundo informações da siderúrgica.

A Usiminas foi criada em abril de 1956, iniciando as operações em 1962, como um projeto do então presidente Juscelino Kubitschek para reduzir a dependência do Brasil de aço importado em um momento de forte expansão da infraestrutura do país. A Nippon Steel participa da Usiminas desde a fundação da empresa.

O negócio foi anunciado no mesmo mês em que a ArcelorMittal concluiu a compra da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), de 3 milhões de toneladas de capacidade anual.

Além do controle da Usiminas, no Brasil a Ternium controla a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), de 5 milhões de toneladas de capacidade anual, comprada da alemã ThyssenKrupp em 2017.

A Ternium ingressou no capital da Usiminas em 2011, assumindo as participações dos grupos Camargo Corrêa e Votorantim. Na época, o grupo de origem ítalo-argentina surpreendeu o mercado pagando um preço de R$ 36 por ação ON da Usiminas, um ágio de mais de 80% sobre o preço de fechamento dos papéis na sessão anterior ao anúncio do negócio.

A compra das ações de controle da Usiminas está sujeita ao crivo do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e será financiada com dinheiro em caixa, afirmou a Ternium.

(com Reuters)