URGENTE Brasil registra dois casos positivos da variante ômicron, diz Anvisa

Brasil registra dois casos positivos da variante ômicron, diz Anvisa

Sessão turbulenta

Trump diz que acordo com China está “intacto” e faz Bolsas europeias e futuros de NY subirem

Noite foi turbulenta para futuros de índices dos EUA após a fala do assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, de que acordo comercial teria acabado

Xi Jinping e Donald Trump na China, em 2017 (Foto: Thomas Peter – Pool/Getty Images)

As declarações do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre o acordo com a China foram bem recebidas pelos mercados. As bolsas europeias avançam e os futuros de Nova York operam em terreno positivo.

Em sua conta no Twitter, Trump afirmou que “o acordo comercial com a China está totalmente intacto”. A declaração foi dada após os comentários de Peter Navarro, assessor comercial da Casa Branca, terem dado a entender o contrário, alimentando temores por parte dos investidores.

Navarro, – um notório crítico da China -, disse em entrevista à Fox News que o acordo havia “acabado”. Posteriormente, Navarro tentou esclarecer seus comentários, alegando ao The Wall Street Journal que haviam sido “totalmente tirados de contexto”. Os futuros de Nova York, com o Dow Jones caíndo cerca de 400 pontos logo após a primeira fala de Navarro, diminuíram as perdas após o consultor negar a afirmação e registram ganhos durante a manhã.

O EuroStoxx sobe 1,66% e o DAX, de Frankfurt, tem valorização de 2,08%. Já os futuros do Dow Jones sobem 0,62% e os do S&P 500 avançam 0,74%.

“Isso indica que os mercados continuam muito sensíveis às tensões entre China e Estados Unidos”, disse, à Bloomberg, Patrick Bennett, chefe de estratégia do Canadian Imperial Bank off Commerce.

A declaração de Trump também ajudou o mercado asiático e operar em terreno positivo.

Na Ásia, o Nikkei 225, de Tóquio, registrou alta de 0,50%. Já o índice Sanghai SE teve leve alta de 0,18% e o Hang Seng Index, de Hong Kong, avançou 1,62%.

As autoridades chinesas têm insistido que vão manter o acordo com os Estados Unidos, o que significa aumentar as importações de produtos americanos em US$ 200 bilhões em um prazo dois anos. No entanto, a crise econômica decorrente da pandemia do novo coronavírus colocou em dúvida essas metas, embora os Estados Unidos tenham sinalizado alguma flexibilidade.

E apesar do bom humor entre os investidores nesta terça-feira, segue no radar o avanço dos casos da Covid-19 pelo mundo e os efeitos da pandemia na atividade econômica. Há o receio que uma segunda onda de contágio atrase a retomada do crescimento global.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Invista na carreira mais promissora dos próximos 10 anos: aprenda a trabalhar no mercado financeiro em um curso gratuito do InfoMoney!