Taxas futuras de juros vão na contramão dos EUA e fecham em leve alta

Boletim Focus mostra redução menor da Selic em 2024 e influencia negócios

Reuters

Notas de Real (Marcelo Casal Jr / Agencia Brasil)

Publicidade

Após forte baixa na sessão anterior, as taxas dos DIs fecharam a segunda-feira, 3, em leve alta, na contramão da queda firme dos yields dos Treasuries no exterior, com a curva a termo refletindo o mal-estar dos investidores com o cenário brasileiro, após novo aumento das projeções de inflação no relatório Focus.
No fim da tarde a taxa do DI (Depósito Interfinanceiro) para janeiro de 2025 — que reflete a política monetária no curtíssimo prazo — estava em 10,395%, ante 10,392% do ajuste anterior.
A taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 10,81%, ante 10,791% do ajuste anterior, enquanto a taxa para janeiro de 2027 estava em 11,16%, ante 11,144%. A taxa para janeiro de 2028 estava em 11,455%, ante 11,445%, e o contrato para janeiro de 2031 marcava 11,82%, ante 11,827%.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos
Na última sexta-feira, em sessão espremida entre o feriado de Corpus Christi e o fim de semana, as taxas futuras haviam cedido perto de 10 pontos-base nos vértices mais longos, sob influência do exterior.


Nesta segunda-feira, porém, elas iniciaram uma escalada já no início do dia, em meio ao incômodo trazido pelos dados do relatório Focus, indicando que a mediana das projeções do mercado para a inflação em 2024 passou de 3,86% para 3,88%. No caso de 2025, foi de 3,75% para 3,77% e, para 2026, de 3,58% para 3,60%.
Esta foi a quinta semana consecutiva em que a projeção para a inflação em 2025 aumentou, afastando-se do centro da meta perseguida pelo Banco Central, de 3%.
No Focus, a mediana das projeções para a taxa básica Selic no fim de 2024 também aumentou, de 10,00% para 10,25%. Hoje a taxa está em 10,50% ao ano.
Na prática, os economistas que abastecem o Focus ainda projetam um corte de 25 pontos-base da Selic este ano — algo que a curva a termo já não precifica há duas semanas.
“O Focus vai convergindo para o que o mercado já está precificando”, comentou o gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM, Cleber Alessie Machado.
Neste cenário, a taxa do vencimento para janeiro de 2027 — um dos mais líquidos — atingiu o pico de 11,250% às 10h59, em alta de 11 pontos-base ante o ajuste de sexta-feira, apesar de o rendimento do Treasury de dez anos estar em baixa no mesmo horário, após a divulgação de dados fracos sobre a atividade manufatureira nos Estados Unidos.
“Basicamente, hoje é só o Focus que faz preço. Não vejo nenhum dado interno que dê outra visão”, pontuou Leandro Ormond, analista da Aware Investments. “O cenário é de bastante incerteza, muito em relação ao nosso fiscal. O mercado está com a percepção de que o governo vai ter dificuldades para cumprir sua agenda”, acrescentou.
Durante a tarde, as taxas futuras reduziram a força, com a queda dos yields pesando. Ainda assim, o viés das taxas de boa parte dos DIs era de alta no fechamento. Entre os vértices mais longos, o recuo firme dos yields reconduziu as taxas para perto da estabilidade.
Perto do fechamento desta segunda-feira a precificação da curva a termo indicava 84% de chances de manutenção da Selic em 10,50% ao ano em junho, contra 16% de probabilidade de corte de 25 pontos-base. Na sexta, estes percentuais eram de 81% e 19%, respectivamente.
No exterior, os yields seguiam em baixa, com investidores repercutindo os dados do dia e à espera de novos indicadores para o restante da semana, em especial do relatório de empregos payroll, na sexta-feira.
Às 16h38, o rendimento do Treasury de dez anos — referência global para decisões de investimento — caía 11 pontos-base, a 4,404%.

Tópicos relacionados