Société Générale usa DeFi para solicitar empréstimo de US$ 20 milhões em criptomoedas

Banco emitiu títulos tokenizados para usar de garantia em empréstimo por meio do protocolo Maker (MKR)

Paulo Barros

Publicidade

SÃO PAULO – O banco Société Générale, um dos maiores da França, quer provar que o ambiente de finanças descentralizadas (DeFi) pode conversar com o sistema financeiro tradicional e servir de ponte para instrumentos de crédito de nova geração.

Em um novo piloto de caso de uso, a instituição submeteu à organização descentralizada MakerDAO um pedido de empréstimo de US$ 20 milhões garantido em títulos tokenizados, papeis de dívida transformados em ativos digitais na blockchain.

Segundo o banco, a proposta tem o objetivo de “ajudar a moldar e promover um experimento sob a estrutura legal francesa”. A iniciativa vem sendo tratada como o maior movimento de adoção institucional de DeFi da história.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A MakerDAO é uma organização autônoma descentralizada (DAO) que gere e toma as decisões sobre o protocolo Maker (MKR), que oferece empréstimos e rendimentos em criptomoedas em ambiente DeFi. Tomadores depositam ativos digitais como garantia para obter valores também em cripto, segundo taxas dinâmicas determinadas por contratos inteligentes.

Já o pedido do Société Générale, que envolve garantias externas a esse ecossistema, passa por um rito diferente e não será automatizado, mas submetido à aprovação da comunidade.

O empréstimo é mediado entre diversas empresas organizadas dentro de um guarda-chuva jurídico complexo, explicou o banco em comunicado. A ideia é testar a capacidade do DeFi como um aliado para a oferta de serviços financeiros, campo em que o protocolo Maker é pioneiro.

Continua depois da publicidade

Segundo o Coindesk, a negociação entre o banco e a MakerDAO vem ocorrendo desde 2020. Embora ambas as partes tenham experiência com smart contratcs, o desafio é encontrar um arranjo jurídico que abranja as especificidades da operação.

A MakerDAO oferece várias identidades jurídicas e modelos regulatórios testados para iniciativas como essa. Nesse caso, um núcleo que lida especificamente com a conexão de ativos reais à blockchain – e que tem seu próprio orçamento – irá preparar a integração do ambiente DeFi com os tokens do banco, que foram emitidos em 2020 com taxa fixa de 0%, vencimento em 2025 e classificação AAA das agências Moody’s e Fitch.

Ao contrário de companhias regulares, que passariam propostas de caráter disruptivo como essa por votação no conselho diretivo, a MakerDAO encaminha projetos recebidos para apreciação de usuários pulverizados – e, na maioria das vezes, anônimos – que têm poder de voto com peso proporcional ao tamanho de suas reservas no token MKR.

Caso seja aprovado, o empréstimo será concedido em DAI, uma stablecoin emitida pela MakerDAO que busca paridade com o dólar por meio de uma cesta de criptoativos balanceada via algoritmo – por esse motivo, ela é chamada de uma stablecoin algorítmica. Tanto a DAI quanto os tokens emitidos pelo banco são reconhecidos pela legislação francesa.

Maiores especialistas do Brasil te ensinam a investir melhor nessa classe de ativos: conheça o curso Criptoinvestidor!

Paulo Barros

Editor de Investimentos