Sem referência de NY, juros futuros têm leve queda no Brasil apesar de surpresa com BC chinês

No Brasil, as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) chegaram a subir pela manhã, refletindo um pouco de cautela

Reuters

Notas e moedas de reais (iStock / Getty Images Plus)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – Sem a referência dos Treasuries em função de feriado nos Estados Unidos, as taxas dos DIs fecharam a segunda-feira em leve baixa, em uma sessão marcada pela baixa liquidez e pela surpresa com a manutenção da taxa de juros pela China.

O feriado do Dia de Martin Luther King Jr. nos EUA deixou os mercados globais sem a referência de Wall Street, o que reduziu o volume negociado e direcionou as atenções para outras praças. Entre elas, destaque para a China, que não alterou sua taxa de juros de médio prazo, na contramão do que esperava o mercado.

O banco central chinês manteve nesta segunda-feira em 2,50% a taxa para 995 bilhões de iuanes (138,84 bilhões de dólares) em empréstimos de um ano do instrumento de médio prazo (MLF) para algumas instituições financeiras.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Já a Alemanha, principal economia da zona do euro, informou que seu Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,3% em 2023, conforme o Escritório Federal de Estatísticas. O resultado ocorreu devido à inflação persistente, aos altos preços da energia e à fraqueza da demanda externa.

Os dados — que sugerem maior cautela em relação à economia global — deram força ao dólar ante a maior parte das demais divisas no exterior e davam sustentação às taxas dos títulos alemães.

No Brasil, as taxas dos DIs (Depósitos Interfinanceiros) chegaram a subir pela manhã, refletindo um pouco desta cautela. Às 10h14, a taxa do contrato para janeiro de 2027 subia cerca de 5 pontos-base. No mesmo horário, a taxa do DI para janeiro de 2031 tinha alta de aproximadamente 4 pontos-base.

Continua depois da publicidade

Durante a tarde, na ausência da referência de Nova York e de notícias internas que justificassem mudanças radicais de posições, as taxas se reaproximaram da estabilidade e, depois, passaram a registrar leves baixas. Na Europa, as taxas dos títulos alemães também haviam perdido força.

“Houve alguma operação mais cautelosa com a China e tivemos picos no dólar e na curva (de juros). Com isso passando, o mercado se acomodou”, pontuou o gerente da mesa de Derivativos Financeiros da Commcor DTVM, Cleber Alessie Machado.

Internamente, as atenções seguem voltadas para as negociações entre governo e Congresso que giram em torno da área fiscal. Em entrevista na tarde desta segunda-feira, em Brasília, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que irá discutir uma série de pautas com o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), mas que o ponto mais importante é encontrar uma alternativa para manter o Orçamento aprovado pelo Congresso Nacional.

O recesso parlamentar, no entanto, termina apenas no início de fevereiro. Até lá, o noticiário de Brasília tende a permanecer morno.

Pela manhã, o Banco Central informou que as medianas das projeções do mercado contidas no relatório Focus apontam para uma inflação de 3,87% em 2024 e uma Selic de 9,00% no fim deste ano.

No fim da tarde desta segunda-feira a taxa do DI para janeiro de 2025 estava em 10,055%, ante 10,075% do ajuste anterior, enquanto a taxa do DI para janeiro de 2026 estava em 9,62%, ante 9,654% do ajuste anterior. A taxa para janeiro de 2027 estava em 9,755%, ante 9,773%.

Entre os contratos mais longos, a taxa para janeiro de 2028 estava em 9,995%, ante 10,013%. O contrato para janeiro de 2031 marcava 10,39%, ante 10,396%.

Perto do fechamento a curva a termo precificava 98% de chances de o corte da taxa básica Selic no fim de janeiro ser de 0,50 ponto percentual. Outros 3% são de apostas em corte de 0,75%. Atualmente a Selic está em 11,75% ao ano.