,

Resumo Diário

,

arrow_forwardMais sobre

Na esteira dos principais mercados financeiros, o Ibovespa encerrou o pregão desta quarta-feira  em forte queda de 1,58% aos 58.517 pontos, após robusta alta na véspera. O giro financeiro foi de R$ 6,063 bilhões.

A reeleição de Barack Obama, nos Estados Unidos, derrubou as bolsas mundiais, com a expectativa de que o “abismo fiscal” do país não seja controlado, já que o presidente enfrentará, outra vez, um Congresso dividido entre republicanos e democratas.

Outro temor que abala os mercados vem de Wall Street, já que as instituições financeiras de lá apostaram no adversário Mitt Romney e perderam. Agora, enfrentam a perspectiva de regulamentações ainda mais duras sobre seus negócios no segundo mandato de Obama na presidência e terão de formar relações melhores com os novos reguladores do setor que serão indicados por ele.

Europa no radar
O cenário europeu, porém, também voltou a chamar a atenção. Em meio à terceira greve geral em seis semanas, os líderes gregos buscam a aprovação do Parlamento para medidas de austeridade, ponto principal para que o país continue a receber ajuda oficial das autoridades europeias. O continente, porém, deve ver o BCE (Banco Central Europeu) iniciar um novo plano permite compra ilimitada de títulos.

Empresas do grupo “X” desabam
Entre as maiores perdas, destaque para as empresas de Eike Batista – LLX e MMX -, que desabaram momentos antes da divulgação de seus números trimestrais, dividindo o posto de maiores quedas do índice com as empresas do setor elétrico, sendo elas Eletropaulo e Eletrobras que tem sido pressionadas desde o início da semana.

Safra de balanços
Por aqui, a temporada de balanços corporativos continua a todo vapor, com números do terceiro trimestre da: Cosan, Multiplan, Multiplus, Eternit, Valid e Ultrapar.

Do lado econômico, a agenda está recheada de indicadores de inflação, entre eles, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) que registrou leve aceleração para 0,59% em outubro. O Banco Central revelará ainda o fluxo de câmbio semanal.

Agenda internacional
Também no Velho Continente, as vendas no varejo da zona do euro caíram 0,2% em setembro, em termos de volume, ante agosto. Na Alemanha, a produção industrial caiu 1,8% em setembro, contra um mês antes.

Nos EUA, além do tradicional relatório sobre os estoques de petróleo, será publicado o volume mensal de crédito ao consumidor.

PUBLICIDADE

Bolsas Internacionais
O Ibovespa caminhou na esteira dos mercados internacionais. Entre as bolsas norte-americanas, o índice Nasdaq Composite, que concentra as ações de tecnologia norte-americanas, fechou em queda de 2,48% e atingiu 2.937 pontos. Seguindo esta tendência, o índice S&P 500 desvalorizou-se 2,36% a 1.394 pontos, da mesma forma, o índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, caiu 2,36% a 12.932 pontos.

No mesmo sentido, o mercado europeu fechou em alta. O índice FTSE 100 da bolsa de Londres caiu 1,58% e atingiu 5.791 pontos, enquanto o índice CAC 40 da bolsa de Paris desvalorizou-se 1,99% chegando a 3.409 pontos e o DAX 30, da bolsa de Frankfurt, caiu 1,96% a 7.232 pontos.

Dólar
O dólar comercial fechou em alta de 0,10% terminando a R$ 2,034 na venda.

Renda fixa
As taxas dos principais contratos de juros futuros fecharam sem tendência definida. O contrato de juros de maior liquidez nesta terça-feira com vencimento em janeiro de 2014, registrou uma taxa de 7,33%, mesma taxa de fechamento de terça-feira.

No mercado de títulos da dívida externa, o título brasileiro mais líquido, o Global 40, fechou com baixa de 0,51% a 127% do valor de face. Já o indicador de risco-País fechou em alta de 4,35%, aos 144 pontos ante 138 pontos do fechamento anterior, com alta de seis pontos-base.

Agenda da próxima sessão
Entre as principais referências da próxima sessão, os investidores devem monitorar a divulgação da balança comercial e indicador semanal do mercado de trabalho dos Estados Unidos, além da taxa de juros da zona do euro e Reino Unido.

Por aqui, o destaque fica com a temporada de balanços corporativos, quando serão reportados os números do terceiro trimestre da: Kroton, Estácio, Braskem, Cetip, Time for Fun, Positivo , MRV, Iochpe-Maxion, além das empresas de Eike Batista – CCX e OGX.