Grupo SBF (SBFG3), dono da Centauro, registra alta de 31,5% no lucro no 2º tri, a R$ 31,67 milhões

Já o Ebitda da empresa de artigos esportivos foi de R$ 153,5 milhões no 2T22, um recuo de 9,3% na comparação com igual etapa de 2021

Felipe Moreira

Inauguração da loja da Centauro no BH Shopping, em Belo Horizonte (Foto: MPerez)

Publicidade

O Grupo SBF (SBFG3), dono da Centauro e distribuidor da Nike no Brasil, registrou lucro líquido de R$ 31,6 milhões no segundo trimestre de 2022 (2T22), cifra 31,5% maior em relação ao segundo trimestre do ano passado, informou a companhia nesta segunda-feira (1).

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) totalizou R$ 153,5 milhões no 2T22, um recuo de 9,3% na comparação com igual etapa de 2021.

A receita líquida somou R$ 1,463 bilhão no segundo trimestre deste ano, crescimento de 30,3% na comparação com igual etapa de 2021.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

De acordo com consenso Refinitiv, a projeção era de uma receita de R$ 1,464 bilhão.

Leia também:

A margem Ebitda (Ebitda sobre receita líquida) ajustada atingiu 10,5% entre abril e junho, baixa de 4,6 pontos percentuais (p.p.) frente a margem registrada em 2T21.

Continua depois da publicidade

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 53,3 milhões no segundo trimestre de 2022, uma elevação de 19,5% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2021.

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 670,4 milhões no segundo trimestre de 2022, um aumento de 28,2% na comparação com igual etapa de 2021. A margem bruta foi de 45,8% no 2T22, baixa de 0,8 p.p. frente a margem do 2T21.

As despesas operacionais somaram R$ 515,6 milhões no 2T22, um crescimento de 40,9% em relação ao mesmo período de 2021.

O fluxo de caixa operacional foi negativo em R$ 69,9 milhões no 2T22, impactado majoritariamente pelo crescimento da companhia, o que aumentou o consumo de capital de giro, e pelo acúmulo de créditos de ICMS em Fisia, situação que deve ser contornada com o Incentivo Fiscal previsto para o início de 2023.

Em 30 de junho de 2022, a dívida líquida da companhia era de R$ 856 milhões, um crescimento de 32,6 % na comparação com a mesma etapa de 2021.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 0,85 vez em junho deste ano, queda de 0,74 vez em relação ao mesmo período de 2021, quando a relação era de 1,59 vez.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.