ClearSale (CLSA3) reporta prejuízo de R$ 31,5 milhões no 1º trimestre de 2022

Já a receita líquida capturada subiu 7,6%, para R$ 105,4 milhões, contra os R$ 98,0 milhões de um ano atrás.

Fernando Lopes

ClearSale (Foto: Divulgação)

Publicidade

A ClearSale (CLSA3) divulgou balanço do primeiro trimestre de 2022 (1T22) nesta segunda-feira (16) com prejuízo líquido ajustado de R$ 31,5 milhões, o que representa um grande aumento, saindo de R$ 100 mil no 1T21.

O ajuste é feito subtraindo as despesas não-recorrentes com o IPO, programa de incentivo de longo prazo, ajustes de receita (referem-se ao negócio de e-commerce Brasil e refletem descontos concedidos e chargeback reconhecidos acima do patamar médio observado em 2020), ajuste de duplicidade de cloud, assim como os efeitos da controlada vendida no 1T21, explica a ClearSale.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda) ajustado da controladora saiu de R$ 18,5 milhões positivos no primeiro trimestre de 2021 e passou a negativo de R$ 39,3 milhões no 1T22. A margem Ebitda (Ebitda sobre receita líquida) ajustada da controladora recuou 53,5 pontos percentuais, para menos 32,2%.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O resultado é explicado por um nível histórico de fraude mais alto; pelos investimentos feitos em readequação da mão de obra operacional e reforço do time de TI & Analytics, que impactaram os custos de serviços prestados; e por uma expansão dos times Comercial, Administrativo, além das despesas não recorrentes com o plano de incentivo de longo prazo que impactaram as despesas gerais e administrativas.

A receita líquida capturada subiu 7,6%, para R$ 105,4 milhões, contra os R$ 98,0 milhões de um ano atrás.

Há uma linha chamada receita líquida potencial, que cresceu 13,4%, para R$ 111,7 milhões, que considera “ajustes de receita referentes ao negócio de e-commerce Brasil e refletem descontos concedidos e chargeback reconhecidos de R$ 6,3 milhões, acima do patamar médio observado em 2020”.

Continua depois da publicidade

“Isso decorre em função de um processo de digitalização acelerada da sociedade, novos tipos de fraude, bem como vazamentos de dados recentes”, explica.

A empresa tenta resumir o quadro do 1T22: “após um ano recorde em 2021, com aumento de clientes, ARR (Annual Recurring Revenue ou Receita Recorrente Anual) vendas novas e churn baixo, além de um crescimento de receita acima de 30%, contra com uma base comparável forte, entramos em 2022 ainda com sólidos indicadores de negócio: crescimento da base de clientes de 38% no ano, churn anualizado de 0,7% e retomada do crescimento do ARR venda nova no trimestre, alavancado pelo ARR venda nova do Onboarding que cresceu 107% contra o trimestre anterior”.

Apesar disso, Bernardo Lustosa, CEO da empresa, pondera as dificuldades enfrentadas pelo cenário macroeconômico, que incluem o forte desemprego, a inflação e a pandemia: “enfim, tivemos um trimestre com ótimos indicadores de negócio, mas com dificuldades no cenário macroeconômico”.

Segundo a ClearSale, a performance do ARR de vendas novas reflete não apenas a maior tendência de digitalização e preocupação com a segurança do mercado, como também a confiança e o grande potencial de exploração de cross-sell e up-sell da base de clientes, além da inserção de novos clientes no ano, que foi possível devido à aceleração da contratação comercial aliada à metodologia e treinamento para os times de vendas e soluções.

A quantidade de clientes subiu 37,9% no trimestre, para 6.192 (ante os 4.489 do 1T21).

Os custos operacionais recorrentes cresceram 67% no 1T22, em relação ao 1T21, para R$ 91,6 milhões.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.