Renúncia de presidente da BR Distribuidora, BTG comenta Ambev e mais 7 notícias no radar

Veja tudo o que de mais importante aconteceu no noticiário corporativo desta quarta depois do encerramento do pregão da Bovespa

Equipe InfoMoney

(Foto: Bloomberg)

Publicidade

SÃO PAULO – O sinal de fechamento bateu às 17h14, mas as noticias não param e a noite desta quarta-feira (16) foi agitada. A informação mais importante do after-market foi a renuncia do presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade Neto, que deixou companhia distribuidora de combustíveis da Petrobras (PETR3; PETR4). Também ficou no radar a Ambev (ABEV3), que depois de sua controladora anunciar oferta por união com a SABMiller, teve a operação contestada pelo BTG Pactual. 

Confira o que de mais importante aconteceu após o fechamento da Bolsa: 

1. Renúncia do presidente da BR Distribuidora
O presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade Neto, apresentou sua renúncia nesta quarta-feira (16). Segundo a estatal, saída ocorreu por motivos de saúde. O diretor financeiro da companhia, Carlos Alberto Tessarollo, permanece na presidência da empresa em caráter interino. Ele já ocupava o cargo cobrindo as férias de José Lima.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

2. BTG comenta Ambev
O BTG Pactual pede cautela ao olhar para oferta realizada pela ABInBev para união com a SABMiller. Em relatório assinado pelo analista Thiago Duarte, o banco de investimentos diz que a união sem a participação da Ambev brasileira não faz sentido. “O comunicado pode levar os participantes de mercado a acreditar que a Ambev pode não ter nenhum papel na eventual fusão, deixando tudo para a AB InBev. Se for confirmado, isso vai contra todas as possibilidades, dada a forte presença da SABMiller na América Latina, onde a Ambev (e não a AB InBev) opera na maioria dos mercados da região”, afirmou o analista no research. 

3. Bic Banco
O conselho de Administração do Bic Banco (BICB4) aprovou a emissão de títulos da dívida subordinada de até US$ 100 milhões. Os títulos terão taxa fixa a ser definida junto com o CCB – Head Office ou CCB International e cupom semi-anual. Eles terão um prazo de vencimento definido para daqui a 10 anos. 

4. Rumo Logística
O conselho de administração da Rumo Logística (RUMO3) autorizou a diretoria da companhia a iniciar o estudo para a estruturação de uma captação de até R$ 1 bilhão, por meio de emissões de títulos.

Continua depois da publicidade

5. Log-In
A Log-In (LOGN3) anunciou que poderá reescalonar as parcelas vincendas da sua dívida com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) nos contratos de financiamento relacionados com o projeto de construção de embarcações. 

6. Even 
A construtora e incorporadora Even (EVEN3) informou ao mercado que rescindiu seu contrato de prestação de serviços com seu Formador de Mercado, a Itaúvest. O novo formador de mercado da companhia será a corretora do BTG Pactual, que assumirá a função a partir de amanhã. 

7. Energias do Brasil
A CVM (Comissão de Valores Mobiliarios) suspendeu a oferta de debêntures da Energias do Brasil (ENBR3). Segundo o órgão regulador do mercado de capitais brasileiro, a suspensão foi determinada em 9/9/2015, em virtude da ocorrência de infração ao disposto no inciso I do art. 45 da Instrução CVM 400, que diz ser admissível o recebimento de reservas para subscrição ou aquisição de valores mobiliários objeto de oferta pública, desde que tal fato esteja previsto nos Prospectos Definitivo e Preliminar.

8. Cemig
A Cemig (CMIG4) anunciou nesta quarta-feira, 16, que investirá um total de R$ 19 milhões na ampliação, reforço e melhoria da rede de distribuição de energia elétrica que atende os municípios da região de Uberaba (MG). A informação foi dada pelo presidente da companhia, Mauro Borges Lemos, durante a instalação do Fórum do Território Triângulo Sul, ação do governo estadual, em Uberaba.

9. Estrela
Segundo informações do Valor Econômico, um grupo de acionistas está tentando barrar a OPA (Oferta Pública de Aquisição) da Estrela (ESTR3; ESTR4) e impedir que a companhia feche o seu capital. Os investidores não concordam com o baixo valor da oferta, de R$ 0,37 por ação, num momento em que a fabricante de brinquedos está prestes a dar uma “virada” positiva nos resultados graças à alta do dólar e à adesão ao “Refis da Copa”, explicou Débora Morsch, sócia da gestora de ativos Zenith, de Porto Alegre.