Região que mais cresce nas Américas aproveita petróleo barato

América Central escapou ilesa da queda dos preços das matérias-primas que prejudicou Brasil, Chile, Peru e Colômbia

Bloomberg

Publicidade

(Bloomberg) – A América Central escapou ilesa da queda dos preços das matérias-primas que prejudicou Brasil, Chile, Peru e Colômbia.

A região está resistindo à tendência de crescimento lento do restante da América Latina porque o petróleo mais barato reduz suas despesas com combustível e o crescimento mais rápido nos EUA aumenta as remessas e os gastos dos turistas. A região vai crescer 4,2 por cento neste ano, liderada pela expansão de 6,3 por cento do Panamá, segundo projeções do Fundo Monetário Internacional. Os índices contrastam com a previsão de crescimento de 0,8 por cento da América Latina como um todo.

Os sete países da América Central contam com os EUA como seu maior parceiro comercial, enquanto Brasil, Peru e Chile fazem mais negócios com a China. O resfriamento da demanda no gigante asiático contribuiu para a queda dos preços do petróleo, do minério de ferro, do cobre e da soja da América do Sul. Importadora líquida de petróleo e da maior parte das demais matérias-primas, a América Central sai ganhando com a queda dos preços das commodities.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Os destinos deles realmente estão mais conectados aos EUA do que à China”, disse Franco Uccelli, analista de mercados emergentes do JPMorgan, em entrevista por telefone. “Eles não estão sentindo o perigo de ser um exportador de petróleo com o petróleo sendo negociado a um nível tão baixo quanto o de hoje”.

As remessas enviadas à Guatemala por trabalhadores que moram nos EUA e em outros lugares aumentaram 18 por cento em janeiro em relação ao ano anterior. O país, que tem a maior economia da América Central, havia recebido uma quantia recorde de US$ 6,3 bilhões em remessas no ano passado, o equivalente a cerca de 10 por cento do produto interno bruto.

Mais ao sul, a Costa Rica recebeu um recorde de 2,7 milhões de turistas em 2015, gerando US$ 2,9 bilhões em receitas, segundo o órgão de turismo do país.

Continua depois da publicidade

Leia também:

Carteira InfoMoney tem 4 novas ações para março; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa