Prates diz que prédio da Petrobras no RN será apoio de polo eólico offshore

A Petrobras iniciou estudos de viabilidade para implantação da atividade eólica offshore no Rio Grande do Norte há uma década

Estadão Conteúdo

Jean Paul Prates (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Publicidade

O presidente da Petrobras (PETR4), Jean Paul Prates, informou nesta segunda-feira, 22, que está revitalizando o prédio sede da Petrobras no Rio Grande do Norte (Edirn) para servir de apoio à diretoria de Transição Energética e Sustentabilidade e se tornar a sede do polo eólico offshore da estatal, previsto para o final da década. Será também “fundamental no seguimento de prospecção da Margem Equatorial”, adicionou.

“Fizemos nesta segunda-feira uma vistoria técnica ao Bloco K do Edifício Sede Rio Grande do Norte da Petrobras, em Natal. O prédio vai ser uma das unidades de apoio da nossa diretoria de Transição Energética e Sustentabilidade e a sede do polo eólico offshore que vamos entregar logo mais”, disse em uma rede social.

A Petrobras iniciou estudos de viabilidade para implantação da atividade eólica offshore no Rio Grande do Norte há uma década, com a instalação da primeira torre anemométrica, capaz de medir características do vento no mar do Brasil, em uma plataforma instalada em águas rasas no litoral do Estado. O resultado desse estudo nunca foi divulgado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

De acordo com Prates, os investimentos em eólica offshore no Brasil podem atingir R$ 300 bilhões nos próximos 30 anos, e o Norte e Nordeste devem liderar esse movimento, assim como da produção de hidrogênio verde, que precisa de energia limpa.

A Petrobras e o Senai do Rio Grande do Norte assinaram protocolo de intenções para desenvolver ações e estratégias voltadas à transição energética, energias renováveis e descarbonização no Brasil. Um dos possíveis desdobramentos será a ampliação e o aprofundamento do mapeamento do potencial eólico offshore na Margem Equatorial brasileira.