Conteúdo editorial apoiado por

Por que o mercado de commodities não está seguindo a queda das bolsas chinesas?

Siderúrgicas do gigante asiático têm mantido encomendas de minério de ferro, enquanto expectativa de cortes de juros no ocidente também evitam queda dos preços

Bloomberg

Uma mulher caminha enquanto o sol nasce atrás do One World Trade Center e do horizonte de Nova York, enquanto a fumaça dos incêndios florestais do Canadá cobre o distrito de Manhattan, visto do Liberty State Park, em 8 de junho de 2023 em Nova Jersey (Eduardo Munoz Alvarez/Getty Images)

Publicidade

Bloomberg — A queda nas ações chinesas não está se refletindo em fraqueza nos mercados de commodities, um ativo de risco que muitas vezes se move em conjunto com as ações do país.

Ambos costumam estar ligados às condições econômicas frágeis da China, especialmente a prolongada crise no setor imobiliário, já que a China continua sendo a maior compradora mundial de matérias-primas.

Mas, enquanto o índice de ações CSI 300 despencou para mínimos de cinco anos, os indicadores dos metais estão se mantendo bem. O cobre permanece na mesma faixa em que tem estado nos últimos meses, e o minério de ferro, a principal matéria-prima para o aço, voltou a ultrapassar US$ 130 por tonelada, um limiar que normalmente leva as autoridades a intervirem para esfriar os preços.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A última grande venda de ações em 2015 foi certamente contagiosa, levando uma série de commodities para baixo à medida que os investidores liquidavam posições para atender chamadas de margem à medida que o mercado de ações desabava, ou para levantar dinheiro no caso de uma recessão econômica mais ampla. P

Mas desta vez, as commodities estão dançando ao som da sua própria música, aparentemente não afetadas pelo colapso na confiança que está afetando as ações e preocupando o governo.

Em primeiro lugar, a economia da China está em dificuldades há um tempo, e os gastos estatais em infraestrutura para enfrentar o colapso no setor imobiliário estão surtindo efeito.

Além disso, as pressões deflacionárias que têm ganhado manchetes no lado do consumidor da economia estão começando a aliviar no portão da fábrica. “Os produtos industriais receberam apoio fundamental do IPP da China, que está se recuperando em geral”, disse Chi Kai, diretor de investimentos da Shanghai Cosine Capital Management.

Ele também afirmou que alguns fundos podem estar migrando das ações para as commodities. De qualquer forma, quanto piores as condições econômicas ficarem, mais provável é que Pequim entregue o enorme estímulo que até agora tem sido reticente em liberar.

Nesta quarta, o país anunciou a redução do compulsório cobrado dos bancos para facilitar a tomada de crédito.

Taxas de juros

Essa é uma das razões pelas quais as siderúrgicas na China têm sido relutantes em reduzir a produção – exceto pelos números de dezembro – apesar das margens terríveis.

“Não muitas usinas têm estado dispostas a ceder um centímetro com medo de perder participação no mercado – apenas no caso de medidas de estímulo surtirem efeito mais cedo ou mais tarde”, disse Atilla Widnell, diretor administrativo da Navigate Commodities Pte em Cingapura.

Há também fatores globais que apoiam o mercado: a probabilidade de que as taxas de juros no Ocidente atingiram o pico, o que deve impulsionar a demanda fora da China, e questões de oferta que estão colocando um piso nos preços das commodities.

A turbulência no Oriente Médio mantém o mercado de petróleo estável, o que sustenta os preços globais de energia e o custo de produção de commodities.

Enquanto isso, o mercado de cobre está se estreitando à medida que os suprimentos globais de minério se esgotam e a demanda verde pelo metal aumenta. “Em contraste com a paisagem incerta das ações, as commodities podem ser vistas como um refúgio seguro por alguns investidores”, disse Henry Hao, economista sênior da China na CRU International, em comentários por e-mail.

As autoridades chinesas intensificaram mensagens de apoio político na tentativa de estabilizar a confiança de mercado, destacando a preocupação elevada em conter a queda nas ações.

Para o veterano investidor de hedge funds Chua Soon Hock, 2024 deveria marcar um aumento plurianual nas ações chinesas e a oportunidade de uma vida.

Em vez disso, o repentino colapso de seu fundo envia um aviso aos colegas otimistas em relação à China: manter-se firme a seus princípios é arriscado. O yuan parece destinado a se tornar um grande beneficiário do plano da China para conter uma queda no mercado de ações, já que o pacote de resgate das ações agravaria a escassez da moeda no exterior, apertando o cerco aos vendedores a descoberto.

Os investidores domésticos chineses estão abandonando as ações nacionais em busca da segurança dos títulos, à medida que crescem as preocupações sobre a perspectiva econômica deteriorada.

© 2024 Bloomberg L.P.