Em mercados / politica

O novo tropeço da Previdência e as derrotas de Bolsonaro e Lula

Ouça o 23º episódio do podcast apresentado pelos analistas políticos Débora Santos, Paulo Gama e Victor Scalet, da XP Investimentos, e pelo jornalista Marcos Mortari, do InfoMoney

SÃO PAULO - Com o calendário apertado para ser votada no plenário da Câmara dos Deputados antes do recesso parlamentar, a Proposta de Emenda à Constituição da reforma da Previdência teve um novo contratempo nesta semana.

A insatisfação de deputados com o atraso na liberação de recursos de emendas pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) e divergências sobre pontos específicos do parecer do relator Samuel Moreira (PSDB-SP) levaram o texto a um novo atraso.

A pouco mais de duas semanas do recesso dos congressistas, a proposta ainda precisa ser aprovada em comissão especial e ser votada pelo plenário em dois turnos para encerrar sua tramitação na casa legislativa. O presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) tem garantido de que a missão será cumprida, mas há muito ceticismo no ar.

Os obstáculos para o avanço da reforma previdenciária no parlamento e o relacionamento truncado entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso Nacional, que voltou a impor derrotas ao governo nesta semana, foram assunto da 23ª edição do podcast Frequência Política, feito em parceria entre a equipe de análise política da XP Investimentos e o InfoMoney.

O programa também abordou a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal que manteve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e analisou a participação do jornalista Glenn Greenwald, editor e fundador do site The Intercept Brasil, em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados, que tratou dos vazamentos de conversas envolvendo o ex-juiz Sérgio Moro (atual ministro da Justiça) e membros da força-tarefa da Operação Lava-Jato.

Você pode ouvir o podcast no player acima, ou fazer o download clicando aqui.  

Insira seu e-mail abaixo e receba com exclusividade o Barômetro do Poder, um estudo do InfoMoney com avaliações e projeções das principais casas de análise política do país:

 

Contato