Em mercados / politica

Análise: Congresso pode endurecer reforma dos militares

Os parlamentares falam em endurecer o texto dos militares e "fazer aquilo que o governo não teve a coragem de fazer"

Câmara dos Deputados
(Wilson Dias/EBC)

O que congressistas acharam da reforma da Previdência dos militares

Cumprindo a promessa, o governo entregou a proposta de reforma da Previdência dos militares hoje (20) na Câmara. Jair Bolsonaro foi pessoalmente, junto dos ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), general Fernando Azevedo (Defesa) e Paulo Guedes (Economia), apresentar a proposta ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia.

A XP Política conversou com integrantes de seis partidos (PSD, DEM, PSDB, PR, PP e MDB), que criticaram o conteúdo da proposta.

Uma das avaliações feitas é de que a economia de R$ 10 bilhões em 10 anos é muito pequena em relação à da PEC da Nova Previdência (governo diz que o objetivo é R$ 1 trilhão).

Outra é que independentemente do texto enviado pelo governo, o importante era a sinalização de envio -- o que não significa que a Câmara manterá o mesmo texto.

O ponto comum é justamente o que poderá ser alterado na proposta dos militares e na PEC.

Os parlamentares falam em endurecer o texto dos militares e “fazer aquilo que o governo não teve a coragem de fazer”.

Se não for possível, dizem que o projeto das Forças Armadas permite brechas para que mais concessões tenham de ser feitas na PEC da Nova Previdência. A base do discurso será: se os benefícios foram concedidos aos militares, por que não aos aposentados rurais e beneficiários do BPC?

As críticas são instrumentos comuns de barganha dos congressistas para tentar negociar com o Planalto. A lógica frequente é de criar uma dificuldade para vender uma facilidade posteriormente, ou seja, simular um ambiente duro para conseguir algo desejado mais à frente.

Além disso, alguns parlamentares já falam em atrasar para a segunda ou terceira semana de abril a votação da PEC da Previdência na CCJ.

A previsão era que fosse votada na última semana de março. Foi adiada para a primeira semana de abril pelo presidente da comissão, deputado Felipe Francischini.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

 

Tudo sobre:  Previdência  

Contato