Em mercados / politica

De banqueiro a geek: vale a pena ver o esforço de Meirelles nas redes para conquistar eleitores

Candidato do MDB decidiu abraçar a ideia de ser geek, mesmo que ele mesmo não saiba pronunciar a palavra

SÃO PAULO - Quando você pensa em um político, normalmente vem à mente aquela imagem de uma pessoa mais velha, que normalmente não tem grande interação com os jovens (e que quando tenta acaba virando meme). O que poucas pessoas podiam imaginar é que a eleição para presidente em 2018 teria um "candidato geek", e muito menos que essa pessoa seria Henrique Meirelles.

Tudo começou durante o GovTech Brasil, onde em uma entrevista com o apresentador Luciano Huck o candidato do MDB tentou interagir com o público local por se tratar de um evento de tecnologia. O problema é que logo de cara ele já mostrou que não está tão por dentro do termo "geek", já que nem pronunciar a palavra ele sabe, veja:

A tentativa de Meirelles de parecer "mais jovem" começou ainda antes, quando na sexta-feira, dia 10 de agosto, ele postou em suas redes sociais um grande "sextou" com uma imagem sua com um grande sorriso:

Mas a ideia de se tornar o "candidato geek" realmente subiu a cabeça do presidenciável, que decidiu apelar para um dos grande ícones da cultura nerd, a série Star Trek (ou Jornada nas Estrelas em português). Em uma nova postagem, ele decidiu fazer a saudação do personagem Spock, vivido por Leonard Nimoy na série clássica:

E tudo isso animou os seus seguidores, que começaram a fazer várias brincadeiras com Meirelles no Twitter, inclusive desafiando ele sobre seus conhecimentos de quadrinhos:

capturar2

Ele - ou sua equipe de marketing, liderada pelo publicitário Chico Mendez - não só mostrou que sabe, como ainda se corrigiu por incluir o Punho de Ferro duas vezes:

capturar3

Apesar de todo este esforço para ter uma maior interação com o público jovem e com os geeks, Meirelles ainda não mostra muita força nas pesquisas. Tanto no mais recente Datafolha quando na XP/Ipespe desta sexta, o candidato do MDB aparece entre 1% e 2% das intenções de voto, dependendo se o cenário é com ou sem Lula na disputa.

 

Contato