Em mercados / politica

Pactual reitera privatização da Eletrobrás em caso de vitória de Alckmin

Banco acredita que declarações do secretário da Energia de São Paulo não refletem verdadeiras intenções do PSDB

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Em relatório divulgado nesta quarta-feira, o Banco Pactual reiterou sua percepção de que a Eletrobrás ainda é a empresa mais se beneficiaria de uma eventual vitória de Geraldo Alckmin na disputa presidencial.

Os analistas esclareceram que, apesar das declarações do secretário de Energia do Estado de São Paulo, Mauro Arce, na véspera, a possibilidade de privatização da Eletrobrás em caso de vitória de Alckmin é muito grande.

Declaração eleitoreira?
Na última terça-feira, Mauro Arce afirmou que, se eleito, o candidato do PSDB não privatizará nenhuma companhia federal, apenas buscará aumentar a eficiência operacional das mesmas.

O Banco Pactual, no entanto, acredita que a declaração do secretário não reflete as verdadeiras intenções do PSDB, mas busca apenas minimizar os efeitos negativos que uma associação de Alckmin às privatizações poderia ter.

Efeitos negativos
Para os analistas, grande parte da população brasileira ainda associa o "apagão" às privatizações realizadas na década de 90.

O Pactual ainda lembra que apenas dois meses antes do anúncio da privatização da Transmissão Paulista, Alckmin e Arce negavam que a companhia pudesse ser privatizada.

 

Contato