PIB, IPCA-15 e balanços no Brasil; inflação e PIB nos EUA: os destaques da semana

Tudo o que o investidor precisa saber antes de operar na semana

Camille Bocanegra

Publicidade

Na semana passada, a divulgação da arrecadação fiscal com bom desempenho garantiu – pelo menos, por enquanto – uma trégua no debate sobre a meta fiscal. Nos próximos dias, os olhares se voltam para as divulgações do PIB do quarto trimestre e do IPCA-15.

O PIB do último período de 2023 será apresentado na sexta-feira (1) e traz expectativa de estabilidade na avaliação trimestral, na visão do Bradesco, enquanto a equipe econômica do Itaú aposta em queda de 0,1% no trimestre. Em relação ao ano anterior, a expectativa é de alta de 2,0% para o Itaú.

Antes disso, serão divulgados, na segunda-feira, dados indicam o panorama de construção no país, com apresentação do Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) e a Sondagem da Construção, ambos do mês de fevereiro, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Os dados semanais da balança comercial também serão apresentados, pela Secex.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No dia seguinte, a principal divulgação será o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A equipe econômica da XP aposta em alta acima de 0,84%, refletindo aumento do ICMS sobre combustíveis e reajustes em mensalidades escolares. Na previsão do Bradesco, o dado deverá trazer alta mensal de 0,83% enquanto a equipe econômica do Itaú considera avanço de 0,88%, com leitura pressionada por serviços e bens (em especial, higiene pessoal).

Ainda na terça-feira, o Banco Central publica o Relatório Focus, a FGV apresenta a Sondagem da indústria de fevereiro e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) traz os sesultados setoriais – ICEI, com dados de fevereiro.

Na quarta-feira, o destaque fica para o Índice Geral de Preços (IGP-M) divulgado pela FGV, assim como a Sondagem do comércio e de serviços, ambos com números coletados em fevereiro. No dia seguinte, o IBGE apresenta a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD Contínua), com dados de janeiro, e a FGV torna pública sua pesquisa do Indicador de Incerteza da Economia, com números de fevereiro. Na quinta, ainda, o Banco Central divulga nota à imprensa sobre a política fiscal, de janeiro, e o fluxo cambial semanal. Na sexta-feira, além do PIB, haverá divulgações da FGV do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) e o Índice de Confiança Empresarial (ICE). O Índice PMI da indústria de transformação será apresentada pela Markit no mesmo dia.

Continua depois da publicidade

Em Brasília, dois temas dominarão a agenda política. O primeiro tem por objeto as chamadas emendas parlamentares, alvo de veto do presidente Lula. Na quinta-feira passada, o governo assinou decreto garantindo um cronograma mensal para liberação dos fundos discricionários de cada ministério, autorizando o pagamento de até R$ 16,8 bilhões em emendas. O segundo ponto tratado diz respeito às isenções fiscais na folha de pagamento, também foco de veto presidencial. De acordo com a negociação, o Governo se comprometeu a apresentar projeto de lei ordinária regulamentando o encerramento das isenções fiscais na folha de pagamento. Os dois assuntos devem ser acompanhados de perto nos próximos dias.

Fora da Capital Federal mas ainda no campo político, o ex-presidente Jair Bolsonaro convocou apoiadores para participar de um ato na Avenida Paulista, em São Paulo, em sua defesa, na tarde de domingo. De acordo com analistas, a ocasião poderá servir como termômetro de sua atual força política, em meio ao cerco de múltiplas investigações que o envolvem (inclusive por suposta tentativa de golpe de Estado) e que podem levá-lo à prisão, segundo os próprios aliados.

Temporada de resultados

Após novo adiamento, a Americanas (AMER3) deve apresentar os resultados do primeiro, segundo e terceiros trimestres no dia 26 de fevereiro, antes da abertura do mercado. A varejista marcou teleconferência para comentar os números no mesmo dia, às 11h. Nos próximos dias também serão conhecidos os resultados de C&A (CEAB3), Grendene (GRND3) e Suzano (SUZB3).

Confira as datas:

26 de fevereiro

AES Brasil

Americanas

BRF

27 de fevereiro

Engie Brasil

Eternit

Marcopolo

XP

28 de fevereiro

C&A Modas

Intelbras

Kepler Weber

Suzano

29 de fevereiro

Ambev

Grendene

MRV

Deflator do PCE nos EUA e PMI na China

O destaque da semana nos EUA será também a divulgação do PIB do quarto trimestre de 2023. A expectativa é que o dado apresente alta trimestral de 3,3% pela projeção do consenso LSEG. Será apresentado, também, o deflator do núcleo da inflação do consumo (PCE) na quinta-feira, assim como os dados de rendimento pessoal (com alta esperada de 0,5% na comparação mensal pelo consenso LSEG) e de gastos pessoais, que devem subir 0,2% de acordo com o levantamento LSEG.

Além disso, será apresentando o dado de Confiança do Consumidor pelo C. Board, na terça-feira. E, na sexta, o destaque fica para a divulgação do Índice ISM da indústria da transformação, com expectativa do consenso LSEG de 49,1 e do Índice de confiança da Universidade de Michigan.

No exterior, a Zona do Euro divulgará seu Indicador de Confiança na Economia de fevereiro, na quarta-feira. No dia seguinte, a Alemanha apresenta seus dados de taxa de desemprego de fevereiro e índice de preços ao consumidor preliminar. A economia alemã apresentou contração de 0,3% em 2023, após divulgação de PIB do quarto trimestre, e o país apresenta nos próximos dias seus dados de vendas no varejo também. Por fim, a China divulgará na quinta-feira seus dados de PMI Composto e PMI Industrial, com expectativa do consenso LSEG de 49,5.

(com Reuters)