Petróleo sobe 4% após EUA e Reino Unido realizarem ataques contra houthis no Iêmen

Mais cedo na quinta, o líder dos houthis disse que qualquer ataque dos EUA ao grupo não ficaria sem resposta

Equipe InfoMoney

Publicidade

Os preços do petróleo registravam ganhos após os Estados Unidos e o Reino Unido começarem a realizar ataques contra alvos ligados aos houthis no Iêmen, à medida que as tensões no Mar Vermelho aumentavam ainda mais.

O contrato do brent para março subia 3,82%, para US$ 80,37 o barril, às 8h15 (horário de Brasília) desta sexta-feira (12), enquanto os futuros do West Texas Intermediate (WTI) para fevereiro avançavam 4,04%, para US$ 74,93 por barril.

Essa é a primeira vez que ataques foram lançados contra o grupo apoiado pelo Irã desde que ele começou a atacar a navegação internacional no Mar Vermelho no final do ano passado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os houthis, que controlam a maior parte do Iêmen, têm atacado as rotas marítimas do Mar Vermelho para demonstrar seu apoio ao Hamas, grupo islâmico palestino. Os ataques têm afetado o comércio internacional na principal rota entre a Europa e a Ásia, responsável por cerca de 15% do tráfego marítimo mundial.

“Estes ataques direcionados são uma mensagem clara de que os Estados Unidos e os nossos parceiros não tolerarão ataques ao nosso pessoal nem permitirão que atores hostis ponham em perigo a liberdade de navegação numa das rotas comerciais mais críticas do mundo”, disse o presidente dos EUA, Joe Biden, num comunicado na quinta-feira à noite.

Mais cedo na quinta, o líder dos houthis disse que qualquer ataque dos EUA ao grupo não ficaria sem resposta.

Continua depois da publicidade

Os houthis, que tomaram grande parte do Iêmen em uma guerra civil, prometeram atacar navios ligados a Israel ou com destino a portos israelenses. No entanto, muitos dos navios atacados não tinham vínculos com Israel.

(com Reuters)