Petróleo sobe com comitê da Opep+ descartando mudança em política de cortes de oferta

Barril do tipo Brent se aproxima dos US$ 90

Equipe InfoMoney

Publicidade

Os preços do petróleo têm nova sessão de alta nesta quarta-feira (3), após o Comitê Conjunto de Monitoramento Ministerial (JMMC, na sigla em inglês) da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) cobrar dos participantes que compensem eventuais excessos de oferta ocorridos no primeiro trimestre, em relação aos níveis de produção recomendados.

Por volta da 10h30, o barril do petróleo do tipo Brent, referência para a Petrobras (PETR4) subia 0,64%, a US$ 89,51, enquanto o WTI ganhava 0,52%, a US$ 85,61.

O JMMC disse que acordou que os países com volumes de produção que consideram excessivos têm até o fim do mês para entregar um plano detalhado sobre como pretendem compensá-los.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Petróleo em alta

A medida consta em comunicado publicado nesta quarta-feira, 3, após reunião por videoconferência.

Na nota, o JMMC expressou satisfação com a promessa do Iraque e do Casaquistão de se comprometer com a conformidade da política de restrição de produção, bem como de compensar pelos excessos cometidos.

O comitê também reconheceu o anúncio da Rússia de que seus cortes voluntários no segundo trimestre de 2024 serão na produção, em vez de nas exportações.

Continua depois da publicidade

No restante do comunicado, o JMMC reafirma que identificou “alto nível de conformidade” de seus integrantes com o atual acordo para restringir a oferta da commodity, e que continuará monitorando o grau de conformidade aos ajustes na produção de petróleo definidos em 2023 e em fevereiro.

O comitê reiterou que continuará a monitorar as condições do mercado.

(Com Estadão Conteúdo)