Petróleo dribla dólar forte e fecha em alta, apoiado por sinais de oferta e demanda

A tendência no câmbio pesou sobre as commodities no geral, mas o petróleo encontrou espaço para recuperação no começo da tarde

Estadão Conteúdo

Publicidade

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta nesta segunda-feira, 5, em meio à confluência de temores por ofertadas causados pelas tensões geopolíticas com os sinais de resiliência da economia dos EUA. O cenário se sobrepôs à escalada do dólar no exterior, diante da expectativa por um Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) mais cauteloso no processo de relaxamento monetário.

Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do WTI para março encerrou a sessão com ganho de 0,69% (o equivalente a US$ 0,50), a US$ 72,78. Na Intercontinental Exchange (ICE), o do Brent para abril subiu 0,85% (ou US$ 0,66), a US$ 77,99 por barril.

Em entrevista veiculada no domingo à noite na rede americana CBS, o presidente do Fed, Jerome Powell, reforçou expectativa por três cortes de juros este ano e afastou as chances de uma redução em março. Os comentários induziram uma postura defensiva nos mercados, que se traduziu em avanço generalizado do dólar.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No final da manhã, o movimento se intensificou depois que duas leituras de índices de gerentes de compras (PMI) apontaram resiliência do setor de serviços nos EUA. Na pesquisa do Instituto para Gestão da Oferta (ISM), em particular, o componente de preços pagos registrou, em janeiro, o maior aumento mensal desde agosto de 2012.

A tendência no câmbio pesou sobre as commodities no geral, mas o petróleo encontrou espaço para recuperação no começo da tarde.

A avaliação é de que a atividade forte nos EUA tende a ser positiva para a demanda, em um momento no qual tensões no Mar Vermelho ameaçam comprimir a oferta. No final de semana, uma coalizão liderada por EUA e Reino Unido conduziu mais uma rodada de ataques a alvos do grupo Houthis no Iêmen.

Continua depois da publicidade

Para a Fitch, o prêmio geopolítico deve continuar a influenciar os preços ao longo deste ano, mas os prospectos econômicos globais em algum ponto vão ter uma piora, o que limitará o rali de commodities. “O crescimento da demanda global de matérias-primas, incluindo petróleo, cobre e alumínio, deverá enfraquecer em 2024, devido ao crescimento econômico global e à previsão de crescimento do PIB da China de menos de 5%, à medida que o seu mercado imobiliário luta para se estabilizar”, prevê a agência.