Radar InfoMoney

Petrobras readmite Compass em processo de desinvestimento, Braskem fecha acordos sobre Alagoas e mais notícias

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta segunda-feira (4)

Edifício da Petrobras
(Shutterstock)

SÃO PAULO – Entre os destaques do noticiário corporativo na primeira sessão de 2021, atenção para a repercussão da notícia do conselho de administração da BB Seguridade, que aprovou um reforço de capital na Brasilprev de até R$ 1,2 bilhão, de acordo com fato relevante do braço de seguro e previdência do Banco do Brasil à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na última quarta-feira, após o fechamento.

Já a Petrobras decidiu readmitir a Compass Gás e Energia, subsidiária da Cosan, no processo de desinvestimento da Gaspetro, após receber aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para o movimento.

A Braskem anunciou na quarta-feira que fechou acordos com autoridades para extinguir ações civis públicas relacionadas a um evento geológico com afundamento do solo ocorrido em Alagoas, para compensação dos moradores e reparação socioambiental. Confira mais destaques

BB Seguridade (BBSE3)

O conselho de administração da BB Seguridade aprovou reforço de capital na Brasilprev de até R$ 1,2 bilhão, segundo fato relevante braço de seguro e previdência do Banco do Brasil (BBAS3) à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na última quarta-feira.

“O reforço se faz necessário em virtude da forte alta do IGP-M, ocorrida principalmente no 2º semestre de 2020, com impacto nos planos tradicionais”, afirmou a BB Seguridade.

De acordo com dados divulgados pela FGV nesta semana, o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) encerrou 2020 com alta acumulada de 23,14%, no resultado mais elevado para um ano em 12 anos.

Nesse contexto, segundo a companhia, considerando a manutenção da participação acionária de 74,995%, caberá à BB Seguros, subsidiária integral da BB Seguridade que detém o investimento direto na Brasilprev, subscrever e integralizar um valor de até R$ 899,94 milhões desse aumento de capital.

A BB Seguridade apontou que a medida resultou em uma redução pontual do percentual do lucro líquido a ser distribuído aos acionistas da companhia sob a forma de dividendos. “Nesse contexto, o conselho deliberou pela destinação de 70% do lucro líquido do exercício de 2020 para remuneração aos acionistas, o que implica em uma distribuição de aproximadamente 46% do lucro líquido do 2º semestre de 2020,considerando o pagamento antecipado de 95% do lucro líquido do 1º semestre de 2020 ocorrido no mês de agosto do exercício corrente.”

Os valores a serem distribuídos e outros detalhes serão informados após a divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2020, prevista para o dia 8 de fevereiro de 2021.

Petrobras (PETR3;PETR4)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A Petrobras decidiu readmitir a Compass Gás e Energia, subsidiária da Cosan (CSAN3), no processo de desinvestimento da Gaspetro, após receber aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para o movimento, informou a estatal na última quarta.

Segundo comunicado, o órgão antitruste enviou um documento à petroleira no qual atesta que a continuidade da Compass no processo não caracteriza descumprimento do Termo de Compromisso de Cessação (TCC) assinado entre a Petrobras e o Cade para desinvestimentos em ativos de gás. Com isso, ela decidiu readmitir a Compass no processo de desinvestimento, sempre prezando pela sua competitividade, isonomia e impessoalidade.

A Petrobras havia anunciado a desqualificação da subsidiária da Cosan da disputa no final de novembro, citando o não cumprimento de exigências do TCC.

A petroleira está promovendo a venda de sua participação de 51% na Gaspetro, uma holding com participação em diversas distribuidoras de gás. A fatia remanescente no ativo, de 49%, pertence à japonesa Mitsui.

“Caso seja assinado o contrato de compra e venda de ações, a operação estará sujeita à apreciação do Cade, no momento da análise do Ato de Concentração, quanto aos possíveis impactos à defesa da concorrência”, acrescentou a Petrobras, destacando que o processo está em fase vinculante.

Braskem (BRKM5)

A Braskem anunciou na última quarta que fechou acordos com autoridades para extinguir ações civis públicas relacionadas a um evento geológico com afundamento do solo ocorrido em Alagoas, para compensação dos moradores e reparação socioambiental.

Em fato relevante, a companhia disse que a estimativa preliminar das ações adicionais decorrentes destes acordos é de aproximadamente R$ 1,2 bilhão, além dos R$ 7,9 bilhões já provisionados ao final do terceiro trimestre de 2020.

Segundo a empresa, a celebração dos Acordos para Compensação dos Moradores e para Reparação Socioambiental representa um avanço importante em relação ao evento geológico de Alagoas e seus potenciais impactos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em novembro, a Braskem havia estimado em R$ 3 bilhões custos e despesas adicionais para a implementação de medidas definidas pela Agência Nacional de Mineração (ANM) para fechamento de minas instáveis de extração de sal em Maceió (AL).

Pão de Açúcar (PCAR3)

Os acionistas do GPA e de sua subsidiária Sendas aprovaram em suas respectivas assembleias gerais extraordinárias proposta de reorganização societária para cindir a unidade Assaí, avançando no plano de listar as ações da divisão de atacado de autosserviço.

A cisão parcial da Sendas, aprovada anteriormente pelos conselhos de administração das empresas, tem como objetivo de segregar a participação da Sendas no Éxito e transferir certos ativos operacionais, segundo fato relevante conjunto desta quinta-feira.

A aprovação também envolve cisão parcial do GPA, visando segregar a totalidade da participação acionária que o GPA detém na Sendas, com a entrega das ações de emissão da Sendas de propriedade do GPA diretamente aos acionistas do GPA, na razão de 1 ação da Sendas para cada 1 ação do de GPA.

A Sendas também afirmou que obteve em 11 de dezembro registro de companhia aberta na categoria ‘A’ perante a CVM e que apresentou um pedido para que suas ações sejam listadas no Novo Mercado da B3, bem como apresentará um pedido para que seus American Depositary Securities (ADSs) em Nova York.

Ainda, na assembleia geral extraordinária de Sendas, foram eleitos Christophe José Hidalgo, Philippe Alarcon, David Lubek, Josseline Marie-José Bernadette De Clausade, José Flavio Ferreira Ramos (independente) e Geraldo Luciano Mattos Júnior (independente) para, juntamente com os Srs. Jean-Charles Henri Naouri, Ronaldo Iabrudi dos Santos Pereira e Luiz Nelson Guedes de Carvalho (independente), comporem o Conselho de Administração de Sendas.

Equatorial (EQTL3)

A Equatorial Energia informou que suas controladas Equatorial Maranhão Distribuidora de Energia e Equatorial Pará Distribuidora de Energia obtiveram aprovação do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para financiamento de R$ 2,150 bilhões. O montante será destinado para o plano de investimento para os anos de 2021 a 2023.

“Os próximos três anos de investimentos das companhias contam com financiamento aprovado pelo banco”, destacou a empresa em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O financiamento aprovado é de R$ 750,8 milhões à Equatorial Maranhão e R$ 1,4 bilhão à Equatorial Pará, ambos com carência até dezembro de 2023 e prazo total de 20 anos ao custo de IPCA + 4,08% ao ano.

Os recursos serão utilizados para expansão do sistema de distribuição, combate às perdas de energia, melhoria da qualidade do fornecimento, ampliação da base de clientes e aprimoramento da operação do sistema elétrico.

Itaú (ITUB4)

Em 31 de dezembro, o Itaú Unibanco detalhou seus planos de reorganização societária visando a alienação societária da XP Investimentos.

O conselho de administração convocou assembleia geral extraordinária para o dia 31 de janeiro, para deliberar sobre a segregação da participação de 40,52% que o Itaú detém sobre a XP para uma nova sociedade. Com a operação, cada acionista do Itaú receberá uma quantidade equivalente de ações da própria companhia, que também passará a ser negociada na B3, e decidirá se mantém ou não participação na XP.

O Itaú comprou participação de 49,9% no capital da XP em 2017, por R$ 6,3 bilhões. O banco anunciou a separação da XP no início de novembro de 2020, e vendeu 5% de participação em dezembro.

Neoenergia (NEOE3) e CPFL (CPFE3)

Os analistas do Bradesco BBI iniciaram a cobertura para Neoenergia com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) com preço-alvo de R$ 27 para o fim de 2021, o que configura um potencial de alta de 54% em relação ao fechamento de 30 de dezembro.

Os analistas também reduziram a recomendação da CPFL para neutro com a visão de risco-retorno equilibrada após o fracasso na oferta para comprar CEB; eles também destacaram que os investidores vão esperar por novos movimentos de fusões e aquisições. O preço-alvo é de R$ 39, o que configura um potencial de alta de 20% frente o fechamento de 2020.

(Com Reuters, Agência Estado e Bloomberg)

Quer migrar para uma das profissões mais bem remuneradas do país e ter a chance de trabalhar na rede da XP Inc.? Clique aqui e assista à série gratuita Carreira no Mercado Financeiro!