Petrobras (PETR4), PRIO (PRIO3) e mais ações de petroleiras caem até 4% com forte baixa da commodity

Estoques de gasolina subiram 5,42 milhões de barris, a 223,604 milhões de barris, ante expectativa de alta de 700 mil barris

Equipe InfoMoney

Publicidade

As cotações do petróleo estenderam as perdas nesta quarta-feira (6), com o WTI caindo abaixo de US$ 70 o barril e o brent abaixo do patamar de US$ 75 pela primeira vez desde julho e na mínima desde junho, com quedas de cerca de 4% para os contratos futuros mais negociados.

O movimento se intensificou após os dados de estoque de petróleo dos EUA, divulgados no início da tarde.

Os estoques de petróleo nos Estados Unidos recuaram 4,633 milhões de barris na semana passada, a 445,031 milhões de barris, informou o Departamento de Energia (DoE, na sigla em inglês). Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam queda de 1 milhão de barris.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Contudo, os estoques de gasolina subiram 5,42 milhões de barris, a 223,604 milhões de barris, ante expectativa de alta de 700 mil barris. Já os de destilados tiveram avanço de 1,267 milhão de barris, a 112,045 milhões de barris, quando se esperava alta de 700 mil barris.

Assim, o petróleo WTI para janeiro fechou em queda de 4,06% (US$ 2,94), a US$ 69,38 o barril. O Brent para fevereiro, negociado na Intercontinental Exchange (ICE), caiu 3,75% (US$ 2,90), a US$ 74,30 o barril.

As petroleiras da B3 também sofreram na sessão: as ações da Petrobras (PETR3, R$ 35,34, -2,38% ;PETR4, R$ 33,50, -3,6%), PRIO (PRIO3, R$ 41,44, -3,99%), 3R Petroleum (RRRP3, R$ 26,91, -3,48%) e PetroReconcavo (RECV3, R$ 19,33, -4,33%) fecharam em baixa entre 2% e 4,5%.

Continua depois da publicidade

Mais cedo, os preços do petróleo já estavam em queda, de cerca de 1%, com os investidores avaliando a eficácia de uma extensão dos cortes da Opep+ para restringir a oferta face uma piora das perspectivas de demanda da China.

(com Estadão Conteúdo)