Petrobras (PETR4): Equinor envia à ANP declaração de comercialidade de 2 novos campos no pré-sal

Segundo a Equinor, o investimento total no desenvolvimento dos ativos é estimado em US$ 9 bilhões.

Estadão Conteúdo

Publicidade

A petroleira norueguesa Equinor, que opera a concessão do bloco BM-C-33, no pré-sal da Bacia de Campos, submeteu à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), as declarações de comercialidade e os planos de desenvolvimento para dois novos campos na área.

Raia Manta e Raia Pintada são os nomes sugeridos para esses campos pelo consórcio formado pela operadora Equinor (35%) e as sócias Repsol Sinopec Brasil (35%) e Petrobras (PETR4; 30%). Mas isso ainda depende de aprovação da ANP.

Segundo a Equinor, o investimento total no desenvolvimento dos ativos é estimado em US$ 9 bilhões. A companhia estima, também, geração de 50 mil empregos locais durante o ciclo do projeto.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Desenho da operação

Ambos os campos produzirão gás natural e o “primeiro óleo” (gás) é esperado para 2028.

A Equinor detalha, em comunicado, que os dois campos terão um navio-plataforma (FPSO) capaz de produzir 16 milhões de metros cúbicos de gás por dia, com média de escoamento estimada para 14 milhões de metros cúbicos diários. Esse navio será o primeiro do País a processar gás e óleo condensado para atender diretamente as especificações de venda, sem necessidade de processamento adicional na costa.

Continua depois da publicidade

O gás produzido será entregue ao mercado por meio do gasoduto submarino BM-C-33, homônimo da concessão e já anunciado pela Equinor e Petrobras este ano. O gasoduto offshore tem 200 quilômetros e vai ligar o FPSO até o terminal de Cabiúnas, no município de Macaé, no Rio de Janeiro. Já os líquidos serão escoados por meio de navios-tanque.

A concessão BM-C-33 está localizada a aproximadamente 200 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, em profundidades marítimas de até 2.900 metros. A área, informou a Equinor, contém volumes recuperáveis de gás natural e óleo/condensado acima de 1 bilhão de barris de óleo equivalente.

Estratégico

O vice-presidente Sênior de Desenvolvimento de Projetos da Equinor, Trond Bokn, disse em nota que os campos são um “encaixe estratégico” para as ambições da Equinor no Brasil, onde a companhia tem “história sólida e intenção de fortalecer ainda mais sua presença”.

A presidente da Equinor no Brasil, Verônica Coelho, afirmou que os campos terão capacidade para atender 15% da demanda total de gás do Brasil quando entrarem em produção, contribuindo para o desenvolvimento e segurança energética do País.

Petrobras

Em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nesta quinta-feira, a Petrobras confirmou as informações e observou que a expectativa de volumes recuperáveis de óleo e gás é superior a um bilhão de barris de óleo equivalente (boe). A estatal também destacou que a previsão de entrada em operação do projeto foi postergada de 2027 para 2028, mas que a mudança não tem impacto em suas metas de produção.