Petrobras (PETR4) e a nova política de dividendos: como o mercado precifica o evento mais importante do ano para a estatal?

Em relatório, o Bradesco BBI fez seis perguntas-chave para clientes institucionais e destacam o que o mercado espera e o que já está precificado

Lara Rizério

Logo da Petrobras em tela de celular (Shutterstock)

Publicidade

Até o final do mês, a gestão da Petrobras (PETR3;PETR4) deve propor uma nova política de dividendos aos seus conselheiros e, segundo Sergio Caetano Leite, CFO da estatal, a empresa declarará os dividendos do segundo trimestre de 2023 (2T23) com base nessa nova política.

Atualmente, a política em vigor prevê pagamentos trimestrais, com fórmula mínima conforme 60% do fluxo de caixa das operações (“FCO”) menos os investimentos (“capex”).

Durante o período da última divulgação de resultados trimestrais, em meados de maio, a Petrobras anunciou a aprovação do pagamento de remuneração aos acionistas (em uma combinação de dividendos e juros sobre capital próprio) no valor de aproximadamente R$ 1,89 por ação. O valor implicou em um dividend yield de 7,4% para PETR4 no dia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Porém, na mesma oportunidade, a empresa também comunicou aos acionistas que seu Conselho de Administração (CA) determinou que a Diretoria Executiva preparasse uma proposta para ajustar o planejamento estratégico em andamento e melhorar a Política de Remuneração aos acionistas da Petrobras. A empresa também divulgou que a proposta pode incluir a possibilidade de recompra de ações.

Os analistas do Bradesco BBI classificam este como o evento mais importante para a tese de investimento da Petrobras neste ano.

Pensando nisso, embora a decisão da diretoria ainda seja desconhecida, para entender as expectativas do mercado, o BBI fez seis perguntas-chave em uma pesquisa com clientes institucionais sobre o que esperar para o evento e o que já está precificado no mercado.

Continua depois da publicidade

Ao todo, tiveram 41 respostas à nossa pesquisa e destacaram os principais resultados.

1 – Sobre a nova política de dividendos a ser aprovada pela Petrobras em breve:

a) a Petrobras manterá pagamentos trimestrais ou
b) diminuirá a frequência de pagamentos?

De acordo com o BBI, 31 dos 41 dos entrevistados (ou 76%) acreditam que a Petrobras vai manter os pagamentos, enquanto 10 dos 41 (24%) acreditam que a frequência vai diminuir.

“Concordamos com a opinião da maioria. Acreditamos que os pagamentos continuarão trimestralmente com o incentivo de fornecer recursos ao governo. Se a frequência de pagamento diminuir, é provável que isso contribua para uma reação negativa do preço das ações”, avalia o BBI.

2 – Se a empresa introduzir recompras de ações como forma de remuneração aos acionistas, a recompra:

a) Terá um peso pequeno dentro da remuneração total, que permanecerá focada em caixa;
b) Terá um peso equilibrado com valor em dividendos em dinheiro (50% a 50%) ou
c) Terá um peso maioritário na remuneração total, passando a remuneração em caixa a ter um peso reduzido?

O banco ressalta que 33 respondentes (80%) apontaram que a estatal adotará a política a), 7 (17%) assinaram a alternativa b) e 1 (3%) apenas apontou a alternativa c).

Os analistas do BBI também tendem a concordar sobre esse tema. “Acreditamos que as recompras desempenharão um papel minoritário na remuneração geral dos acionistas”, avaliam.

3- Se as recompras forem introduzidas, elas serão focadas em:
a) ações ON (PETR3, com direito a voto);
b) equilíbrio entre as ações ON e PN ou
c) ações PN?

Os analistas do banco apontam que o mercado está dividido sobre esta questão, não tendo certeza do que esperar.

18 dos respondentes (44%) responderam alternativa a), com foco em ações ON, enquanto 19 (46%) veem um equilíbrio, escolhendo b). Já 4 (10%) veem foco em papéis preferenciais com a recompra.

Para o Bradesco BBI, por um lado, a Petrobras poderia recomprar apenas ações ON, já que elas representam cerca de 60% do capital da empresa.

“Ao concentrar as recompras em ações da ON, a ótica positiva (do ponto de vista do governo) estaria ligada à narrativa de que está aumentando sua influência sobre a empresa. A ótica negativa seria que as recompras poderiam reduzir o caixa inicial para o governo”, afirma.

O banco complementa: “Uma minoria de investidores respondeu que as recompras devem ser focadas em ações PN, mas entendemos o raciocínio: se a administração deseja mostrar uma alocação de capital sólida, a recompra deve ser concentrada em ações PN, já que são negociadas com um desconto indevido de 11% versus as ações ON”.

No geral, a equipe de análise do BBI está mais inclinada a pensar que as recompras poderiam ser igualmente equilibradas entre ações ON e PN, mas isso ainda está a ser observado pelo mercado. “Seja qual for o anúncio, o resultado será um fator chave para o spread (diferença das cotações) ON/PN da Petrobras”, avaliam.

4 – O cálculo do pagamento de dividendos: 
a) Permanecerá como percentual do FCO-capex (ou fluxo de caixa das operações menos os investimentos)  ou 
b) Mudará para uma porcentagem do lucro líquido?

Os participantes do levantamento também mostram muita incerteza sobre o que esperar em relação ao tema. 20 deles (ou 49%) esperam que permaneça como FCO-capex, enquanto 21 (52%) esperam uma mudança para porcentagem do lucro líquido.

“Alguns meses atrás, pensávamos que havia uma chance maior de o pagamento mudar para uma variação do lucro final. No entanto, após nossas recentes interações com a empresa, agora acreditamos que a proposta provavelmente permanecerá como uma porcentagem do FCO-capex. Porém, teremos que esperar para ver qual será a palavra final da diretoria”, avalia.

5 – Supondo que não haja diferenças entre FCO-capex e lucro líquido para remunerar os acionistas, a nova política de dividendos (incluindo recompras) assumirá um payout (dividendo em relação ao lucro) de:

a) Menos de 40%
b) De 40% a 60%
c) De 60% a 80% ou 
d) De 80% a 100%?

Conforme mostra o gráfico abaixo, o mercado está vendo claramente uma âncora dentro da faixa de pagamento de 40% a 60%. Quase 80% das respostas estavam nessa faixa, afirmam os analistas.

Fonte: Bradesco BBI
Fonte: Bradesco BBI

6 – Para que as ações da Petrobras tenham uma forte resposta positiva ao anúncio sobre a nova política de dividendos, o payout (incluindo recompra) deveria ser no mínimo:

a) 40% (rendimento de 10% nos próximos 12 meses)
b) 60% (rendimento de 15% nos próximos 12 meses)
c) 80% (rendimento de 20% para os próximos 12 meses)
d) 100% (rendimento de 25% para os próximos 12 meses)

“Um pagamento de 60% parece ser o limite que o mercado deseja para comprar mais ações da Petrobras, enquanto alguns entrevistados querem até 80%”, apontam os analistas do BBI, conforme aponta o gráfico abaixo:

Fonte: Bradesco BBI

Um pagamento acima de 60% implicaria um dividend yield (dividendo sobre o preço da ação) de pelo menos 15% nos próximos 12 meses, contra uma média de cerca de 10% para o setor (com recompras)

“Achamos que seria um dividend yield atraente, com um prêmio interessante (e merecido) sobre a média global. Após várias interações com a empresa, nossa visão é que pouco mudará em relação à política anterior, e a recente fraqueza nas ações da Petrobras deve ser uma oportunidade para os investidores apostarem uma recuperação nas ações”, apontam.

Cabe destacar que, nesta semana, após a fala do CFO da Petrobras sobre dividendos, a XP destacou que os proventos podem ser menores.

“Em nosso modelo, estamos assumindo uma distribuição de 40% do FCO menos capex (frente a 60% da política vigente), com base em práticas de pares internacionais e no fato de que, se a Petrobras desembolsar valores inferiores a isso, a empresa simplesmente acumulará muito caixa (já estamos assumindo níveis baixos de dívida bruta, cerca de US$ 50 bilhões)”, avalia a XP.

Contudo, aponta, resta saber como será a nova política de fato. Por exemplo, vê boas chances de que a nova política acabe sendo mais flexível e discricionária do que a atual.

Lara Rizério

Editora de mercados do InfoMoney, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.