Petrobras (PETR4) avalia como atrair investimentos de árabes para fertilizantes, diz CEO

A Petrobras busca viabilizar a conclusão de uma unidade de fertilizantes nitrogenados em Mato Grosso do Sul, cujas obras estão paralisadas há alguns anos

Reuters

Publicidade

RIO DE JANEIRO (Reuters) – A Petrobras (PETR3;PETR4) estuda formas de atrair investimentos de empresas do Oriente Médio, como Arábia Saudita e Catar, que poderiam garantir gás a preços mais competitivos para o Brasil ampliar a produção de fertilizantes nitrogenados, disse o presidente da companhia, Jean Paul Prates.

O executivo, que encomendou estudos sobre potenciais sociedades com a Petrobras, avalia que os investidores poderiam participar como minoritários da construção de novas plantas ou na modernização de outras unidades da empresa no Brasil, enquanto a estatal poderia ter uma unidade no Oriente Médio, em um “investimento cruzado”.

A Petrobras busca viabilizar a conclusão de uma unidade de fertilizantes nitrogenados em Mato Grosso do Sul, cujas obras estão paralisadas há alguns anos. A empresa ainda tem fábricas de nitrogenados arrendadas para a Unigel, sendo que uma delas está parada na Bahia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Prates também não descartou a possibilidade de investimentos da Petrobras no Oriente Médio.

“O que estamos falando é de investimentos cruzados por conta dos fertilizantes… Nós temos gás, mas o nosso é mais caro que o deles. Qual a forma de juntar as coisas através de um interesse mútuo? Fazer um investimento cruzado”, disse Prates pelo telefone, diretamente de Dubai, onde esteve participando da conferência sobre clima COP 28.

O executivo explicou que estudos encomendados devem ficar prontos no começo de 2024.

Continua depois da publicidade

Essa eventual parceria com árabes se convencionou a chamar de Petrobras Arábia, disse Prates.

Em Dubai, ao ser questionado sobre a possibilidade de a Petrobras ter uma subsidiária na Arábia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o CEO da estatal tem a “mente fértil”, ao afirmar que não tinha conhecimento do projeto.

Prates, contudo, defendeu que “criar empresa em outro país é uma estratégia comercial”.

Segundo ele, se os estudos avançarem e resultarem em parceiras efetivas, o anúncio será feito pelo presidente Lula.

O CEO da Petrobras já fez duas viagens este ano ao Oriente Médio para participar de fóruns e aproveitou para conversar com representantes locais sobre projetos de interesse do Brasil.