Petrobras (PETR4) avalia aquisição de ativos da Mubadala na Bahia, além de parcerias em refino

A Mubadala Capital, de Abu Dhabi, controla por meio da Acelen a Refinaria de Mataripe (ex-Rlam) e a Acelen Energia Renovável.

Reuters

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – A Petrobras (PETR4) afirmou nesta sexta-feira que avaliará aquisição de participação acionária em ativos de refino e biorrefino da Mubadala Capital na Bahia, assim como parcerias estratégicas no segmento.

A Mubadala Capital, de Abu Dhabi, controla por meio da Acelen a Refinaria de Mataripe (ex-Rlam), adquirida da Petrobras, e a Acelen Energia Renovável.

A informação foi divulgada em nota ao mercado pela Petrobras após a empresa ter recebido comunicação da Mubadala propondo “a formalização de discussões recentes sobre a formação de potencial parceria estratégica para o desenvolvimento do ‘downstream’ no Brasil”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A iniciativa tem como escopo negócios voltados ao refino tradicional, bem como o desenvolvimento de uma biorrefinaria, ambas na Bahia, segundo a Petrobras.

A estatal disse que a correspondência do grupo de Abu Dhabi traz os principais termos e condições da eventual parceria.

“A proposta ainda será objeto de avaliação interna pela Petrobras”, afirmou a empresa, reforçando que eventuais decisões de investimentos deverão passar pelos processos de planejamento e aprovação previstos nas sistemáticas aplicáveis, ficando em linha com seu Plano Estratégico 2024-2028.

Continua depois da publicidade

A Refinaria de Mataripe, situada em São Francisco do Conde, possui capacidade de processamento de 333 mil barris/dia, e seus ativos incluem quatro terminais de armazenamento e um conjunto de oleodutos que interligam a refinaria e os terminais totalizando 669 quilômetros de extensão, segundo nota da Petrobras.

Já o projeto de biorrefino integrado contempla instalações de produção de diesel renovável e querosene de aviação sustentável a partir de óleo vegetal oriundo de culturas nativas, com operação nos Estados da Bahia e Minas Gerais.