Novos negócios

Petrobras (PETR4) assina acordos com três empresas chinesas para avaliar oportunidades

Somente após a conclusão das análises técnicas, potenciais projetos advindos dos acordos assinados terão estimativas oficiais de custo, prazo e retorno

Por  Felipe Moreira

Durante missão à China, o presidente da Petrobras (PETR4), Jean Paul Prates, firmou acordos de cooperação no setor energético com empresas chinesas, informou a estatal nesta noite de quarta-feira (30).

A petrolífera assinou memorando de entendimentos (MoU) com a China National Offshore Oil Corporation (CNOOC), a fim de estender a colaboração e explorar o potencial de cooperação global no setor energético, como exploração e produção de petróleo e gás, refino, indústria petroquímica, dentre outros.

Masterclass
As Ações mais Promissoras da Bolsa
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Já o acordo assinado com a China Petrochemical Corporation (SINOPEC) tem o objetivo de colaborar na pesquisa e avaliação de oportunidades no Brasil ou no exterior, nos segmentos de exploração & produção, refino, comercialização, projetos de transição energética, captura de carbono.

“Termos de Acordo para Cooperação Estratégica com a China Energy International Group Co., Ltd., com a finalidade identificar potenciais oportunidades de negócio no Brasil relacionadas a geração de energia renovável e produção de hidrogênio e amônia sustentáveis”, comenta a Petrobras.

A estatal ainda firmou Non-Disclosure Agreement com a Citic Construction Co. Ltd. (CITIC) para discussões sobre possíveis oportunidades de negócios e projetos conjuntos, inclusive a formação de joint-ventures para investimentos no Brasil e no exterior.

“Os acordos assinados são de caráter não vinculante e, para acompanhar o progresso dos estudos e discussões, serão formados comitês de representantes de cada empresa”, diz a estatal. “Somente após a conclusão das análises técnicas necessárias, potenciais projetos advindos dos acordos assinados terão estimativas oficiais de custo, prazo e retorno, a fim de que sejam futuramente apreciados pelas instâncias de aprovação interna, de acordo com a governança da companhia.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe