Radar InfoMoney

Petrobras, Oi é rebaixada para “lixo”, mico e mais 7 empresas agitam esta 5ª

Entre os destaques, Petrobras negocia com Cemig venda de fatia na Gasmig, Telefónica reduzirá fatia indireta na Telecom Italia e Even vê lançamentos subirem no 2° trimestre

Por  Paula Barra

SÃO PAULO – Em mais um dia agitado no mercado brasileiro, diversas empresas aparecem no radar do investidor nesta quinta-feira (15). A Petrobras anunciou na quarta-feira que está em negociação com a Cemig para vender sua fatia de 40% na distribuidora de gás natural Gasmig. 

No comunicado enviado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários), a petroleira estatal informou que a medida está em linha com seu plano de negócios, que prevê desinvestimentos de ativos no país e no exterior.

De acordo com a Petrobras, a Gasmig é a concessionária exclusiva de distribuição de gás natural canalizado em Minas Gerais e responsável pela distribuição de 4,1 milhões de metros cúbicos por dia por uma rede de cerca de 850 quilômetros de gasodutos.

Telefónica
A empresa espanhola Telefónica (VIVT4) anunciou hoje que, devido a emissão de 750 milhões de euros em bônus conversíveis da Telecom Italia, irá reduzir sua participação indireta na operadora italiana para entre 8,3 e 9,4% do atual capital social com direito a voto.

A Telefónica mantém sua participação na Telecom Italia por meio da holding Telco, que antes desta transação correspondia a 14,8%. Segundo disse a operadora, o desinvestimento parcial por meio da emissão permite a Telefónica “neutralizar de forma preventiva aproximadamente metade de um eventual aumento da dívida líquida que se produziria após a cisão da Telco S.p.A”.

Reguladores brasileiros pressionam há meses para que a empresa espanhola reduza sua fatia na Telecom Italia já que a filial da Telefónica no Brasil, a Vivo, compete diretamente com a TIM, filial da operadora italiana.

Marfrig
A Marfrig (MRFG3) informou nesta quarta-feira que investirá 170 milhões de libras para promover o crescimento orgânico de sua unidade europeia Moy Park nos próximos cinco a sete anos.

A companhia disse que a projeção de investimentos em 2014, de R$ 600 milhões, inclui os investimentos na Moy Park para este ano.

Gol
A companhia aérea Gol (GOLL4) anunciou nesta quarta-feira que estendeu a oferta de recompra de suas notas com vencimento em 2017, sem valor máximo de aquisição.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“As Notas 2017 oferecidas para aquisição não estão mais sujeitas a rateio”, informou a companhia em comunicado.

O prazo para encerramento das ofertas foi definido 29 de julho, salvo se estendida posteriormente.

Anteriormente, a Gol planejava recomprar apenas parte dos papéis que venciam em 2017.

A Gol afirmou que até esta quarta-feira, 98,9 milhões de dólares das Notas 2023, ou cerca de 54,95 por cento do total, e 87,8 milhões de dólares das Notas 2017, ou 41,81 por cento do total, foram oferecidas para aquisição.

Even
A construtora e incorporadora Even (EVEN3) teve lançamentos maiores no segundo trimestre na comparação anual, mas as vendas caíram e os estoques representaram quase 70% da comercialização no período.

Os lançamentos no segundo trimestre foram de R$ 586 milhões, alta de 14,2% sobre os R$ 513 milhões lançados um ano antes, informou a empresa na quarta-feira. No primeiro trimestre deste ano, os lançamentos da Even tinham somado R$ 190 milhões.

Entre abril e junho, as vendas contratadas foram de R$ 377 milhões, queda de 38,4% na comparação anual, quando somaram R$ 612 milhões. Já em relação com os três primeiros meses do ano, as vendas cresceram 10,6%. A velocidade de vendas no período foi de 13%, a mesma do primeiro trimestre.

Do total vendido no segundo trimestre, 33% (126 milhões de reais) foram de lançamentos e 67% (251 milhões) de estoques. Segundo a companhia, no segundo trimestre foram adquiridos onze novos terrenos com valor potencial de vendas de R$ 1,2 bilhão. “Considerando as aquisições dos seis primeiros meses do ano, atingimos 2,3 bilhões de reais em valor potencial de vendas”, disse a empresa em comunicado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Oi – parte 1
A agência de classificação de risco Fitch rebaixou as notas de crédito da Oi (OIBR3; OIBR4) e da Portugal Telecom ontem. As companhias tiveram suas avaliações “BBB-” cortadas para grau especulativo “BB+”, com perspectiva estável. Essa é a primeira nota fora do grau de investimento – categoria em que os ativos são considerados seguros para investir – e a primeira dentro do nível chamado “junk” (grau especulativo”. Para o rebaixamento, a agência avaliou a possibilidade da Oi não receber nada do pagamento devido pela Rioforte e a decisão da PT de fazer grandes investimentos. 

Oi – parte 2
Ainda sobre a Oi. A renegociação dos termos da fusão entre Oi e Portugal Telecom ainda gera dúvidas no mercado. 
O novo acordo entre as empresas prevê a redução da participação da Portugal Telecom na companhia resultante da união com a Oi, a transferência para a portuguesa do risco total da dívida em questão e a redução dos direitos políticos do grupo português. Mas analistas avaliam que parte relevante da conta gerada pelo polêmico investimento da Portugal Telecom ainda será bancada por acionistas da empresa de telecomunicação brasileira.

“O ponto é: nos atuais preços de mercado, a Portugal Telecom está dando à Oi o equivalente a 750 milhões de euros, menos do que a dívida da Rioforte (de 897 milhões de euros)”, afirmou a analista Caroline Hees, da Brasil Plural, em relatório.

Pelo acordo revisado acertado nesta quarta-feira, a Portugal Telecom tem a opção de recomprar a totalidade ou parte dos papéis da Oi em um prazo de até seis anos pelos valores estipulados, mais a variação do CDI acrescida de 1,5 por cento. Os contratos definitivos devem ser assinados em até 20 dias.

“Ao calcular as opções (de compra pela Portugal Telecom) a um preço mais alto, a Portugal Telecom dá à Oi menos ações hoje, o que seria essencialmente ‘ok’ se o empréstimo (da Rioforte) for pago. Porém, se não for, a Portugal Telecom vai acabar com uma fatia maior da empresa do que deveria em caso de um calote de 100 por cento”, acrescentou Caroline. Ela estima que a Portugal Telecom deveria ficar com uma fatia de 22% da nova empresa, em caso de calote total da dívida.

BB
Uma unidade do Banco do Brasil (BBAS3) planeja lançar seu primeiro fundo islâmico para ajudar a elevar o perfil da sua unidade de Cingapura, juntando-se a uma lista crescente de gestores de ativos retornando ao setor, que atende exigências da lei islâmica sharia.
 

O setor está revivendo: fundos de investimento islâmicos agora detêm US$ 58 bilhões em ativos sob administração, acima dos US$ 41 bilhões no final de 2012, e recuperando-se de uma baixa de US$ 36 bilhões em 2010, segundo dados da Lipper. A divisão de gestão de ativos do BB, a BB DTVM, vai lançar seu fundo islâmico através de sua subsidiária de três anos de idade em Cingapura, para ajudá-la a ganhar negócios na região.

Autometal
A Autometal (AUTM3) informou nesta quarta-feira que concluiu a oferta de resgate antecipado de debêntures distribuída em sua primeira emissão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A primeira emissão de debêntures da empresa foi aprovada em dezembro de 2011, em um total de R$ 250 milhões.

Eletrobras
A usina nuclear de Angra 2, no Rio de Janeiro, vai parar por 33 dias a partir do próximo sábado para reabastecimento, informou a estatal Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras (ELET3; ELET6), na quarta-feira.

A Eletronuclear afirmou que já comunicou a parada ao operador do sistema elétrico brasileiro. “Durante o período, o Operador Nacional do Sistema (ONS) realizará manobras no sistema elétrico de forma a garantir o abastecimento seguro de energia”, disse a Eletronuclear.

As paradas para reabastecimento da usina ocorrem a cada 12 meses, de acordo com a empresa.

A previsão é que durante a paralisação, cerca de um terço do combustível nuclear da usina será recarregado. A parada também vai servir para instalação de modificações de projeto que precisam ser feitas com a usina desligada, disse a estatal.

Empresas como Siemens, Westinghouse, Tecnaton e ArevaAREVA.PA foram contratadas para executar o serviço e disponibilizarão cerca de 1.300 profissionais, dos quais 180 estrangeiros, para dar suporte aos técnicos da Eletronuclear.

J B Duarte
Passado um pouco mais de um mês que a J B Duarte (JBDU4) anunciou que uma possível entrada da empresa de investimentos americana Golden Eagle, a companhia agora informou que foi celebrado, em reunião realizada em 15 de julho, memorando de entendimento pela J B Duarte com a Goldn Eagle Investments, sob a interveniência da acionista controladora Duagro. Por meio do documento, a companhia se beneficiará com a obtenção de investimentos de US$ 5,268 milhões, mediante integralização da Golden Eagle em futuros aumentos de capital da companhia.

Compartilhe