Direto da Bolsa

Petrobras e bancos caem mais de 7% em dia com quase todas as ações do Ibovespa em queda

Das 70 ações do Ibovespa, apenas uma segue em alta, mas com grande volatiladade

SÃO PAULO – Em uma quarta-feira (15) negativa para o Ibovespa, praticamente todas as ações do índice seguem com queda, repercurtindo o cenário externo. Na Europa e nos EUA, as bolsas caem forte por medo de que economia global tenha piorado depois de indicadores abaixo esperado.

Entre os destaques, vale mencionar as ações das estatais e bancos, que seguem à espera da divulgação de duas pesquisas eleitorais, Ibope e Datafolha, ainda nesta quarta-feira. Fora do cenário político, destaque para as empresas de telecomunicações, após o presidente-executivo da Telecom Italia afirmar que não tem planos de comprar a Oi.

Além disso, vale destacar que das 70 ações do Ibovespa, apenas a Fibria segue em alta, mas abaixo de 1%, reagindo a alta do dólar nesta sessão. As ações do índice foram penalizadas ainda mais durante a manhã, após o início do pregão nos mercados dos EUA, o que levou 64 ações para a mínima do intraday

Confira os destaques da Bolsa:

Petrobras (PETR3, R$ 18,71, -8,37%PETR4, R$ 19,82, -8,45%)
As ações da Petrobras voltam a cair forte nesta sessão, após ganhos na última semana e acompanhando o cenário externo. Hoje, os papéis das companhias brasileiras foram puxados para baixo logo após a abertura das bolsas norte-americanas, que também apresentam fortes perdas. 

Alem disso, a estatal segue à espera das pesquisas eleitorais. Nesta quarta-feira, Ibope e Datafolha, devem divulgar dois novos levantamentos para mostrar qual o cenário das eleições no 2º turno. 

Além disso, no radar da estatal segue o “fim da defasagem” dos preços de gasolina vendidos no Brasil e no exterior com a queda do preço do petróleo e as indicações de que o governo deve reajustar o preço dos combustíveis neste ano. Segundo analistas do Credit Suisse, o preço da gasolina no mercado internacional está 1% mais baixo do que os valores no mercado doméstico brasileiro, invertendo dramaticamente uma situação de defasagem que colabora com prejuízos seguidos à divisão de Abastecimento da Petrobras.

Vale ressaltar ainda a repercussão do debate entre os presidenciáveis na Rede Bandeirantes.  

Além da Petrobras, outras ações mais “sensíveis” ao “rali eleitoral” repercutem negativamente na sessão de hoje. Destaque para Eletrobras (ELET3, R$ 6,66, -5,80%ELET6, R$ 9,99, -4,68%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 30,92, -7,09%).

PUBLICIDADE

Oi (OIBR, R$ 1,34, -4,96%)
O presidente-executivo da Telecom Italia, Marco Patuano, disse que não tem planos de comprar a Oi porque atualmente a companhia passa por processo de crescimento orgânico. “Obviamente, o mercado brasileiro é muito dinâmico. Todas as opções tem que ficar de olho”. Porém, para agora, esta negociação não é uma prioridade. 

Patuano disse que o mercado brasileiro necessita de recursos e que o plano de investimentos da empresa para o próximo ano deve aumentar.

Segundo Patuano, a consolidação do mercado não é a única possibilidade para o setor de telecomunicações, mas a empresa que quiser continuar nele terá que investir em qualidade de serviços.

“A única forma para competir é com qualidade, e só se tem isso com investimentos. Então, as operadoras que tenham capacidade de fazer os investimentos, não creio que necessariamente tenha que haver uma consolidação. Obviamente, se alguém não tem possibilidade de fazer investimento então a consolidação nesse caso seria boa para o mercado”, disse Patuano.

Fibria (FIBR3, R$ 24,49, +0,25%)
As ações da Fibria seguem com leve alta, mas continuam com grande volatilidade no dia, atingindo na mínima uma queda de 2,37%, enquanto na máxima ela subiu 1,31%. Apesar disso, hoje o dólar opera com alta de 1,43%, a R$ 2,4350. Dado o perfil exportador das empresas, um movimento como esse é visto como favorável, já que as receitas dessas companhias são atreladas à moeda norte-americana, mas nesta sessão a moeda não impulsiona os papéis da companhia. 

Embraer (EMBR3, R$ 20,62, -5,24%)
Apesar dos dados operacionais, as ações da Embraer seguem em queda, seguindo o movimento negativo do dia. A empresa informou nesta quarta-feira que sua carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) atingiu um recorde histórico no terceiro trimestre, ao patamar de US$ 22,1 bilhões. No período, a companhia entregou 19 jatos comerciais e 15 executivos, totalizando 34 aeronaves.

Cemig (CMIG4, R$ 16,15, -4,66%)
Em Minas Gerais, o governador eleito Fernando Pimentel (PT) afirmou ontem que novos nomes para as estatais mineiras, entre elas a Cemig e a Copasa, serão anunciados somente em janeiro. “Não é o governo quem indica novos nomes, é a assembleia de acionistas e o conselho de administração dessas empresas. Tem um rito legal que demora a ser feito. Não será feito de uma maneira a ocorrer qualquer dano aos acionistas e investidores dessas empresas. Já deixamos isso claro e não há motivo de alarde para estas empresas”. O temor em relação à gestão de Pimentel impactou as ações da Cemig antes das eleições.

Cielo (CIEL3, R$ 37,38, -3,31%)
As ações da Cielo estendem as perdas da última sessão sendo pressionadas por rumores de que o Banco Central pode reduzir o prazo de compensação financeira para os lojistas nas compras com cartões. Além disso, a Justiça decretou, em primeira instância, a nulidade da marca Cielo e que a credenciadora de cartões deixe de utilizar a marca 180 dias após o fim da disputa judicial com o nadador Cesar Cielo. O entendimento para a decisão foi de que o sobrenome da família do atleta foi apropriada de forma indevida, depois de fechado contrato de uso de imagem.

PUBLICIDADE