Tempo Real

Petrobras dispara 6% em 50 minutos com virada do petróleo; Vale tem alta de 2%

Confira a atualização dos principais destaques da Bovespa nesta segunda-feira

12h52: Petrobras e Vale
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 10,01, -2,63%; PETR4, R$ 8,67, -3,67%) e Vale (VALE3, R$ 16,98, -1,91%; VALE5, R$ 13,43, -2,04%) ganharam força a partir de 12h (horário de Brasília). Os papéis da estatal, que chegaram a cair mais de 3%, viraram para alta e subiram quase 6% nesses 50 minutos. Já a Vale subiu 3% no mesmo período.

A virada das ações da Petrobras acompanham a cotação do petróleo no mercado internacional, que também virou para alta e registrava ganhos de mais de 2%. O petróleo WTI, negociado no Texas, subia 4,09%, a US$ 47,07. 

A commodity ganhava força após dados de produção, que mostraram nesta segunda-feira queda para 9,296 milhões de barris por dia em junho, contra 9,4 milhões em maio. Além disso, há notícias de que membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) mostraram preocupação sobre a queda dos preços da commodity e que iriam proteger seus próprios interesses. 

10h31: Bancos
As ações dos bancos afundam nesta sessão em meio à tensão com o cenário político e econômico em meio à maior probabilidade de perda de grau de investimento. O governo enviará ao Congresso o Orçamento de 2016, com déficit de 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto), sem levar adiante a volta da CPMF. Na Bolsa, todos os grandes bancos operavam no negativo: Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 26,35, -4,29%), Bradesco (BBDC3, R$ 25,37, -3,94%; BBDC4, R$ 23,10, -3,79%), Banco do Brasil (BBAS3, R$ 17,90, -4,69%). Destoa do movimento as ações do Santander (SANB11, R$ 14,47, -0,48%), que caem menos de 1%. 

10h27: MMX Mineração (MMXM3, R$ 0,46, +31,43%)
A companhia de negociação de commodities Trafigura pretende comprar ativos de minério de ferro de Eike Batista com início de embarques no Porto Sudeste, após os credores da MMX terem aprovado a oferta como parte do plano de recuperação judicial da mineradora, segundo comunicado da Trafigura por email no último sábado.  

10h17: Fibria e Suzano
As ações das empresas de papel e celulose Fibria (FIBR3, R$ 50,72, +2,26%) e Suzano (SUZB5, R$ 17,34, +2,18%), com perfil exportador, são as únicas que se salvam no pregão de hoje, com a alta do dólar e forte queda do Ibovespa. Klabin (KLBN11, R$ 20,28, -0,39%), também do setor, opera em leve baixa, mas vale lembrar que sua exposição à moeda americana é menor que as demais. A fabricante de aeronaves Embraer (EMBR3, R$ 22,82, -0,57%) é outra que recua apesar de ser beneficiada pela alta do dólar.