Petrobras bate seis recordes em valor de mercado só em fevereiro e já vale R$ 571 bi

A título de comparação, a Vale perdeu mais de R$ 110 bi em valor de mercado nos últimos 12 meses

Estadão Conteúdo

(Wagner Meier/Getty Images)

Publicidade

No acumulado dos últimos 12 meses, a Petrobras, segunda ação de maior peso no Ibovespa, ganhou R$ 211 bilhões em valor de mercado, um salto de quase 60% em relação há um ano antes, quando rondava o patamar de R$ 360 bilhões. De outubro até segunda-feira (19), a estatal bateu dez recordes em market cap, sendo seis somente neste mês de fevereiro, e chegou a R$ 571,4 bilhões, o maior valor de suas ações e de mercado de todos os tempos. A ação ordinária da Petrobras encerrou nesta segunda-feira cotada a R$ 44,49 e a preferencial, R$ 42,90.

A título de comparação, a Vale, que puxa a carteira teórica, perdeu mais de R$ 110 bilhões em valor de mercado nos últimos 12 meses, enquanto o Itaú, a terceira ação mais valiosa da carteira, elevou em quase R$ 79 bilhões o seu valor na Bolsa, no mesmo intervalo.

É consenso no mercado que, além da boa performance do petróleo no exterior, muito por conta da crise geopolítica envolvendo o Oriente Médio, o plano de investimentos da Petrobras não foi tão agressivo como o mercado esperava, o que reanimou o investidor, tendo em vista a possibilidade de manutenção de boas cifras em dividendos distribuídos aos acionistas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Se está pagando bons dividendos, significa dizer que a empresa não está investindo em projetos ruins, o que era um pouco o receio do mercado em relação à Petrobras”, observa Fernando Siqueira, head da área de Research, da Guide Investimentos.

Phil Soares, chefe de análise de ações da Órama Investimentos, cita inclusive a iniciativa de exploração da margem equatorial que, em sua opinião, é uma “uma excelente notícia” para a estatal. “Traz uma fronteira de crescimento relevante para a companhia, em um negócio que ela realmente faz dinheiro, que é a extração em água profunda”, acrescenta, considerando ainda o programa de recompra que segue um ritmo bem relevante. “Isso também tem ajudado a puxar o papel para cima”, diz.

No início do mês, em comemoração a mais um recorde em valor de mercado, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, afirmou que o recorde de valor da companhia “coroa o trabalho feito ao longo de todo o primeiro ano de nova gestão”, iniciada em janeiro do ano passado. “Estamos muito satisfeitos com os sucessivos recordes de valor de mercado. Esse recorde, assim como os outros que a Petrobras atingiu em 2023, é consequência da retomada de investimentos que a nova gestão tem realizado no último ano”, disse, na época.

Continua depois da publicidade

O market cap ou valor de mercado é um indicador que ajuda a classificar a reputação de uma empresa. O cálculo é a multiplicação do valor da ação pelo número de ações existentes.

Essa é, no entanto, apenas uma das variáveis a considerar na hora de entrar ou sair de um papel. Gabriel Mota, operador de renda variável da Manchester Investimentos, explica que o pagamento de dividendos é outra. E, nesse caso, a Vale pode ser uma opção, já que nos últimos 12 meses entregou um dividend yield de 9%.

“Agora, se for um investidor que quer um pouco mais de crescimento da ação do que o mercado consegue entregar, talvez não seja um momento para Vale, que sofre uma precificação muito correlacionada com a China e seu setor imobiliário, que enfrenta dificuldades e tem travado o ativo”, pondera.

Mota adverte que, para o investidor mais preocupado com a valorização do patrimônio e que esteja posicionado em Petrobras, é de suma importância a busca por realização ao menos de parte desse lucro gerado nos últimos meses, muito por conta das oscilações do mercado, mas também pelo risco imputado a qualquer empresa de capital aberto, seja privada ou estatal.

“A gente pode ver uma empresa valendo R$ 200 bilhões hoje e, amanhã, por conta de alguma notícia ruim, perdendo metade disso. Assim, o investidor que não realizou no tempo oportuno, quando o ativo estava num patamar mais alto de preço, ficou com o lucro só no papel, ou seja, não efetivou o lucro”, explica.

Hora da pechincha

À medida que a inflação dá trégua e, simultaneamente, condições para a manutenção de um afrouxamento da política monetária maior por parte do Banco Central, surgem alternativas na Bolsa. Fernando Siqueira, da Guide, avalia que uma boa dica no momento é reduzir um pouco a exposição em Petrobras, mas não para comprar Vale, uma vez que existe um leque de “opções” para lucrar.

Siqueira cita como “bons nomes” a EcoRodovias, que é uma ação barata, na sua opinião, além de SBF (dona da Centauro) e Assaí, essa última com bons fundamentos para crescer com mais vigor em 2024. “A rede [Assaí] vem em uma expansão muito grande, o que fará os resultados serem muito maiores. Essa conversão das lojas Extra caminha bem. Está muito mais perto de concluir do que de iniciar e isso melhora os resultados”, fundamenta.

Vale lembrar que algumas ações do segmento small caps também andaram muito no último ano. C&A, por exemplo, quadruplicou o valor de mercado, saindo de R$ 659,6 milhões, em 17 de fevereiro do ano passado, para mais de R$ 2,4 bilhões, hoje.

No setor imobiliário, o destaque ficou com Tenda, que mais do que dobrou o market cap, de R$ 476,8 milhões para 1,319 bilhão, enquanto Plano&Plano foi de R$ 894,6 milhões a R$ 2,5 bilhões, em igual intervalo.

Tópicos relacionados