Para Meirelles, anúncio da equipe econômica de Lula tende a acalmar o mercado

Questionado se já teria recebido algum convite da equipe de transição para compor o futuro governo, respondeu que não

Equipe InfoMoney

Publicidade

O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles afirmou que o anúncio da equipe econômica do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva contribuiria para acalmar o mercado. Ele disse que ainda não recebeu convite para integrar o time e que não trabalha com hipóteses.

“De fato, espera-se o anúncio da equipe econômica o mais rápido possível. Não há dúvidas de que o anúncio da equipe econômica tende a acalmar o mercado”, disse Meirelles, a jornalistas, após participar de evento do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), nesta terça-feira, 15, em Nova York. “O governo está sendo composto em tempo muito exíguo”, acrescentou.

Ele alertou para a reação do mercado, mas ponderou que o impacto nos ativos brasileiros vai depender dos nomes escolhidos. Semana passada, como efeito das preocupações fiscais, a bolsa caiu e o dólar disparou.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Meirelles disse ainda que o mercado vai além do sistema financeiro e abrange a sociedade, os pequenos empresários etc. “Mercado é muito mais que mercado financeiro. É o padeiro. São todos aqueles na atividade produtiva”, disse.

Convite a Meirelles

Questionado se já teria recebido algum convite da equipe de transição para compor o futuro governo, respondeu que não. Afirmou ainda que não trabalha com hipóteses, a responder se aceitaria algum cargo no governo Lula.

Meirelles voltou a reforçar a necessidade de o governo atentar à responsabilidade fiscal com o social.

Continua depois da publicidade

“Quando governo gasta excessivamente, leva à falta de confiança. Manter gastos sob controle é a melhora forma de garantir, inclusive, inclusão social, crescimento. É importante que economia cresça e gere emprego”, avaliou. “Temos de ter responsabilidade social, mas estabelecer meta clara no fiscal”, acrescentou.

Sobre a PEC de transição, Meirelles disse que a medida é necessária para acomodar os gastos transitórios. “A PEC de transição é um waiver. É importante é que não se pare na PEC de transição porque daí deixa de ser um waiver”, concluiu.

O ex-ministro afirmou ainda sobre a necessidade de uma âncora fiscal, classificada como “fundamental”. “Tem que se ter uma âncora, tem que ter um teto, o limite tem que ser claro porque caso contrário o país pode, e corre o risco sério, de voltar a um clima de recessão”, disse.

Leia também:

“Dilmou”

Em uma de suas participações no evento do Lide, Meirelles aproveitou para esclarecer informações que circularam no mercado semana passada, atribuídas a ele, em um evento fechado à imprensa, em um banco.

“Eu nunca disse ou usei a expressão que o Lula “Dilmou”, disse Meirelles.

Segundo ele, na ocasião, traçou dois cenários, duas linhas de pensamento, existentes dentro do governo de transição, referentes aos que defendem uma maior intervenção do Estado e aos defensores de uma maior abertura ao setor privado.

“A pessoa [fonte do jornalista que publicou a informação] passou apenas um lado da história”, disse, acrescentando que a possibilidade de um governo “totalmente voltado à liderança no crescimento econômico não foi o que foi dito e foi adicionada com uma expressão de apelo e engraçada”.

Ida de Goldfajn para o BID

Meirelles comentou ainda que o governo eleito de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deveria apoiar o nome do ex-presidente do Banco Central Ilan Goldfajn para disputar a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Na sua visão, o nome de Ilan seria uma “grande adição ao Brasil”.

“O nome do Ilan para o BID teve aceitação muito grande e seria grande adição ao Brasil. Ilan não tem filiação partidária. Está acima de tudo isso”, avaliou Meirelles.

Ele ainda disse que é “óbvio” que o nome do Ilan para disputar o BID teria de ser indicado pelo governo de Jair Bolsonaro (PL), uma vez que as eleições acontecem no dia 20 de novembro, antes da posse do governo eleito.

Seu comentário foi feito ao ser questionado sobre uma movimentação de uma ala do PT para tentar adiar as eleições para a presidência do BID, por não aceitar a indicação de Ilan por parte do atual governo.

“O novo governo deveria apoiar o Ilan no BID e não entrar em questão de filiação partidária. Ilan representaria muito bem o Brasil no BID”, concluiu.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)