Operação da PF investiga Braskem (BRKM5) por afundamento de bairros em Maceió

A sede da Braskem em Alagoas é um dos alvos das diligências

Equipe InfoMoney

Braskem (Foto: Divulgação)

Publicidade

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (21) uma Operação batizada Lágrimas de Sal para abastecer o inquérito sobre a exploração de sal-gema em Maceió, que causou a instabilidade do solo e o afundamento de bairros da capital alagoana.

De acordo com a PF, cerca de 60 policiais federais estão cumprindo 14 mandados de busca e apreensão, sendo 11 na capital alagoana, 2 no Rio de Janeiro e 1 em Aracaju, capital do Estado do Sergipe. Todos os mandados foram expedidos pela Justiça Federal de Alagoas.

A PF justificou que a operação ocorre após investigações anteriores constatarem que “as atividades de mineração desenvolvidas no local não seguiram os parâmetros de segurança previstos na literatura científica”.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Além disso, a organização afirmou que “foram identificados indícios de apresentação de dados falsos e omissão de informações relevantes aos órgãos públicos responsáveis pela fiscalização”, o que permitiu a continuação das atividades mesmo quando já conhecidos os riscos para as minas e a população da cidade.

Os crimes sendo investigados são de “poluição qualificada, usurpação de recursos da União, apresentação de estudos ambientais falsos ou enganosos”, entre outros possíveis delitos.

Em nota aos acionistas, a Braskem afirmou que “sempre esteve à disposição das autoridades” e que “todas as informações serão prestadas no transcorrer do processo”, acrescentando que a operação da PF envolve integrantes e ex-integrantes da empresa, além de sua planta de cloro-soda em Maceió.

Continua depois da publicidade

Em coletiva, a Polícia Federal informou que fará uma análise independente com seus próprios peritos para analisar possíveis danos do rompimento da mina 18, da Braskem, no bairro do Mutange.

“Temos nossos peritos que irão realizar análises”, disse a superintendente da Polícia Federal em Alagoas, Luciana Paiva Barbosa.

Exploração de sal-gema

A exploração do sal-gema em Maceió ocorreu entre 1976 e 2019 e foi interrompida após bairros da cidade passarem a registrar rachaduras em ruas e em edifícios diante da movimentação de enormes cavidades criadas como consequência da mineração. A Braskem comandava as atividades de exploração desde 2002, ano de sua fundação.

Cerca de 60 mil pessoas na cidade já foram forçadas a se retirar de suas residências desde 2018, em meio aos riscos causados pelo afundamento do solo no local.

No início do mês, a prefeitura de Maceió informou que houve um rompimento em uma mina da empresa no bairro do Mutange, em trecho da lagoa Mundaú. A mina já está em processo de estabilização, segundo a Defesa Civil da cidade.

A partir do próximo ano, o papel da Braskem no afundamento do solo em Maceió também será alvo das investigações de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado, cujo relator deve ser definido em fevereiro.

(com Estadão Conteúdo)