Opep eleva projeção para oferta de combustíveis do Brasil em 2024, a 4,3 milhões de barris por dia

O resultado representa um avanço de 200 mil bpd ante o ano anterior

Estadão Conteúdo

Publicidade

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) elevou em 120 mil barris por dia (bpd) sua expectativa para a oferta de combustíveis líquidos do Brasil em 2024, para uma média de 4,3 milhões de bpd, em relatório mensal publicado nesta quarta-feira, 17. O resultado representa um avanço de 200 mil bpd ante o ano anterior, mas o cartel pondera que “o aumento dos custos no mercado offshore e a inflação também podem continuar a atrasar os projetos” e pressionar o crescimento da oferta no curto prazo.

No relatório, a Opep também atualizou suas estimativas para o ano de 2023 e incluiu, pela primeira vez, projeções para 2025. O cartel elevou em 40 mil barris por dia a estimativa para 2023, a 4,1 milhões de bpd, e projetou aceleração da produção em 2025, a 4,4 milhões de bpd.

De acordo com a Opep, a produção de combustíveis líquidos do Brasil voltou a subir 149 mil bpd em novembro, ao nível recorde de 4,4 milhões de bpd, em um crescimento mais forte do que o esperado no quarto trimestre de 2023.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Somente o petróleo avançou 136 mil bpd no confronto mensal, a 3,7 milhões de bpd. Já a produção de gás natural liquefeito ficou praticamente estável, em 80 mil bpd.

PIB

O cartel também revisou suas estimativas para o crescimento econômico brasileiro, aumentando de 2,5% a 2,9% a expectativa para o crescimento do Produto Interno Bruto do Brasil em 2023.

Continua depois da publicidade

A Opep elevou ainda a projeção para o avanço do PIB brasileiro em 2024, de 1,2% a 1,4%, e prevê aceleração do crescimento a 1,5% em 2025.

De acordo com o relatório, o crescimento do Brasil continuou estável até o final de 2023, apesar da desaceleração na dinâmica da atividade econômica e expectativas de maior desaceleração em 2024.

Apesar disso, a Opep acredita que a redução na taxa Selic para 10% até o fim de 2024 e uma desaceleração na inflação para cerca de 3,5%, próxima a meta do BC do Brasil, devem favorecer uma retomada na força do crescimento.