Oncoclínicas (ONCO3) tem lucro líquido de R$ 19,6 milhões no 1T24

Companhia impulsiona receita e lucro no 1T24, mencionando "eficiência e expansão estratégica"

Equipe InfoMoney

Oncoclínicas (Divulgação)

Publicidade

A Oncoclínicas (ONCO3), provedora de tratamentos oncológicos, divulgou resultados financeiros para o primeiro trimestre de 2024 (1T24). A companhia reportou um lucro líquido de R$ 19,6 milhões no trimestre, uma redução de 52,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, principalmente devido a ajustes não recorrentes. Excluindo efeitos não-caixa, o lucro líquido ajustado foi de R$ 25,4 milhões.

O Ebitda (Lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) ajustado da empresa também apresentou um forte crescimento, atingindo R$ 1,03 bilhão, um aumento de 26,3% em relação ao ano anterior. Este resultado reflete uma melhora significativa na eficiência operacional e uma gestão de custos eficaz, apesar de um ambiente desafiador marcado por maior provisão para créditos de liquidação duvidosa (PCLD) e despesas não operacionais.

No que se refere à receita, a Oncoclínicas reportou um aumento substancial de 16,1% na receita bruta, alcançando R$ 1,6 bilhão no trimestre. A receita líquida também cresceu 12,8%, chegando a R$ 1,45 bilhão, impulsionada pelo aumento do volume de tratamentos e pela expansão contínua em novos mercados.

Continua depois da publicidade

Além disso, a Oncoclínicas expõe que continuou a investir em sua infraestrutura e capacidades tecnológicas, com desembolsos significativos em capex, principalmente relacionados à construção de novos centros de câncer e parcerias estratégicas. Esses investimentos são fundamentais para a sustentação do crescimento a longo prazo e para a manutenção da liderança no mercado.

O endividamento da empresa fechou o trimestre em R$ 4,2 bilhões, com uma alavancagem financeira de 3,9 vezes o Ebitda ajustado.

A administração da empresa reitera seu compromisso com a excelência no tratamento oncológico e a inovação, visando consolidar ainda mais sua posição de liderança no mercado brasileiro de saúde.

Continua depois da publicidade

(Texto feito com ajuda de inteligência artificial / Edição: Vitor Azevedo)