Sinal de recuperação

Número de Bitcoins nas exchanges atinge menor nível desde 2018

Um declínio contínuo de criptos nas corretoras significa menos moedas disponíveis para venda e possível rali prolongado de preços

Por  CoinDesk

A cada semana que passa, as métricas da blockchain do Bitcoin (BTC) divergem dos fatores macroeconômicos bearish (termo do mercado financeiro que faz referência a um sentimento pessimista), oferecendo esperança aos detentores de longo prazo.

O número de BTCs mantidos em exchanges caiu para 2.449.785 na semana passada, 20 mil a menos que na última contagem, atingindo o menor nível desde agosto de 2018, mostram dados fornecidos pela empresa de análise de blockchain Glassnode.

No ano, a quantidade de criptos nas corretoras diminuiu em 138.266, ou 5%, indicando que o “HODLing” – uma gíria que significa comprar e manter uma cripto – continua sendo a estratégia preferida no mercado.

Os investidores normalmente assumem a custódia direta dos ativos quando pretendem segurá-los por um longo prazo. Um declínio contínuo no número de BTC nas exchanges significa menos moedas disponíveis para venda e possível rali prolongado de preços.

“Por baixo da superfície, há uma fase pesada de acumulação na cadeia”, disse o boletim de inteligência de mercado da Blockware Solutions publicado na sexta-feira (15). “As saídas das exchanges atingiram uma taxa que só foi vista três vezes antes na história do Bitcoin: após março de 2020, em dezembro de 2020 (muitos dos quais provavelmente eram GBTC, do fundo da gestora Grayscale) e em setembro de 2021”.

Outras métricas também pintam um quadro otimista. Por exemplo, a porcentagem de Bitcoin inativo por pelo menos um ano atingiu recentemente um recorde de 63,7%. Ao mesmo tempo, as baleias (grandes investidores) acumularam 1.000 BTC na semana passada, registrando o primeiro aumento semanal desde janeiro, segundo a Blockware Solutions.

Mesmo assim, o BTC caiu para US$ 38.577 nesta manhã, o menor preço dos últimos 30 dias, levando o declínio acumulado no ano para mais de 15%. A pressão de venda provavelmente decorreu de questões fiscais e de macro traders liquidando participações, acompanhando um contínuo derretimento nos rendimentos dos títulos do governo e provavelmente um aperto do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos).

Claramente, os fatores macro estão no controle da situação. “Por enquanto, continuaremos a ouvir todos os comentários dos funcionários do Fed enquanto procuram combater a inflação por meio de táticas de intimidação”, observou na semana passada Jeff Dorman, diretor de investimentos da Arca, uma empresa de investimentos em criptomoedas. “Mas daqui a um ano, é duvidoso que a alta correlação entre taxas, ações e ativos digitais seja qualquer coisa além de outra relação de rodapé que não se manteve.”

Bitcoin no suporte chave

O gráfico de três dias do Bitcoin mostra que a criptomoeda está flertando com a média móvel simples (SMA) de 200 períodos. Esse é um nível crítico a ser observado, já que os ursos falharam repetidamente em estabelecer uma posição sob a linha técnica desde o final de janeiro.

Se eles tiverem sucesso desta vez, mais vendas poderão ser vistas. Um colapso poderia exibir um suporte em US$ 30 mil. Suporte é o termo usado para identificar um nível de preço em que uma tendência de baixa pode ser revertida por causa do aumento da demanda de compra.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe