Em mercados

Mercado eleva projeções para PIB e vê inflação menor em 2018, mostra BC

Mesmo com as menores apostas para o IPCA neste ano, economistas não alteram projeção de fim do ciclo de cortes nos juros

Ilan Goldfajn e Henrique Meirelles
( Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

SÃO PAULO - O otimismo com o desempenho dos principais indicadores econômicos nacionais voltou a se manifestar nas projeções dos analistas do mercado consultados pelo Banco Central no relatório Focus. Conforme mostra a pesquisa da última semana, divulgada na manhã desta segunda-feira (19), a mediana das expectativas dos economistas para o PIB (Produto Interno Bruto) cresceu de 2,70% para 2,80% neste ano, ao passo que para 2019 se manteve em 3%.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

Do lado da inflação oficial medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), a mediana das expectativas caiu de 3,84% para 3,81% em 2018, enquanto para o ano seguinte se manteve em 4,25%. Não houve alterações nas projeções para a Selic, que deve manter o atual patamar de 6,75% até o fim deste ano. Já para 2018, os economistas consultados pelo BC mantêm a aposta de altas até os 8%. Também se mantiveram estáveis as projeções para o câmbio: R$ 3,30 ao final deste ano e R$ 3,39 ao final do seguinte.

Entre os cinco economistas que mais acertam em suas projeções -- o chamado "top 5" --, no cenário de curto prazo, a mediana das estimativas para a inflação oficial caiu de 3,80% para 3,73% em 2018 e se manteve em 4,25% para o ano seguinte. Do lado do câmbio, houve recuo nos dois períodos: de R$ 3,40 para R$ 3,35, e de R$ 3,43 para R$ 3,38, respectivamente. Já a taxa básica de juros foi mantida em 6,75% neste ano e em 7,75% no próximo.

Já no cenário de médio prazo, também houve alteração nas projeções para o IPCA, de 3,86% para 3,75% neste ano, ao passo que as expectativas para o ano seguinte se mantiveram em 4,25%. As projeções para a taxa de câmbio seguiram as mesmas de uma semana atrás: R$ 3,35 para este ano e R$ 3,39 para o seguinte. O mesmo ocorreu com a Selic: 6,75% e 8%, respectivamente.

Contato