Em mercados

Dynamo prova que é possível ganhar (muito) dinheiro na Bolsa e ser feliz ao mesmo tempo

Na primeira entrevista em vídeo à imprensa em seus 22 anos de história, o sócio Pedro Damasceno fala sobre o que ele considera o grande diferencial da gestora carioca: o estímulo à "força do argumento"

*Atualizada em 7 de outubro de 2017 com a triste notícia da morte de Pedro Damasceno, vítima de um infarte fulminante no Rio de Janeiro. Ele tinha 47 anos e deixa esposa e três filhas. Link da matéria aqui.

RIO DE JANEIRO - Um sonho realizado: o InfoMoney Fora da Curva traz a primeira entrevista em vídeo concedida pela Dynamo Asset em seus 23 anos de existência. Para quem leu o livro "Fora da Curva", sabe a grandiosidade da gestora: o fundo Cougar rendeu nada menos que 7.000% já descontado a inflação desde 1993. A lembrar: a Dynamo foi criada com a ideia de praticar o "value investing" no Brasil numa época em que Warren Buffett era um mero desconhecido por aqui e que a Bovespa mais se parecia com um cassino.

Durante a conversa gravada na sede da Dynamo (no bairro do Leblon, Rio de Janeiro), Pedro Damasceno explicou um dos grandes diferenciais que a gestora possui em relação a outras casas do Brasil: o estímulo à "força do argumento" entre os analistas do fundo. Damasceno também comenta sobre a "paixão" que os sócios demonstram pela gestora, continuando na rotina da casa mesmo após tantos anos de sucesso (veja o roteiro da entrevista abaixo do vídeo).

InfoMoney Fora da Curva é um projeto de entrevistas do InfoMoney com os participantes do livro Fora da Curva. A partir do dia 5 de dezembro, uma nova entrevista será divulgada diariamente, e todas elas ficarão disponibilizadas na página especial do projeto (clique aqui para acessá-la).

Confira abaixo a entrevista com Pedro Damasceno e o instante em que cada pergunta foi respondida:

Perguntas respondidas no vídeo:

1) 1:00 - A Dynamo nasceu com a ideia de ser um fundo de ações focado em "value investing" numa época em que Bolsa era sinônimo de cassino, que governança corporativa não existia, que Warren Buffett era um desconhecido por aqui e que minoritários eram "enfeites" nas assembleias. O que fez vocês pensarem que isso era uma boa ideia?

2) 4:30 - Como os 3 pontos que vocês seguem na hora de investir em uma empresa (resultados, gestão das pessoas e estratégia da empresa) se unem na hora de escolher aplicar em uma empresa?

3) 10:00 - Poderia citar exemplos de empresas que se destacaram não só pela estratégia e números trimestrais, mas pelas pessoas que atuavam na gestão?

4) 13:40 - Como funciona o "estímulo ao argumento" que vocês exercitam na Dynamo, e que você diz que é um dos motivos da gestora ter dado certo?

5) 16:30 - "É incrível como investidores não prestam atenção em documentos públicos". Poderia dar um exemplo dessa desatenção do mercado e que a Dynamo conseguiu usar a seu favor?

6) 20:10 - 20 anos após a vitória da Dynamo numa assembleia da Eternit, o que você acha que evoluiu no Brasil em termos de representatividade dos minoritários nas assembleias?

7) 24:10 - Apesar da evolução da governança corporativa, ainda estamos expostos a grandes traumas para os minoritários, como vivemos recentemente com as empresas X e a Oi. É possível um dia vivermos sem estes eventos?

8) 26:00 - Embora vocês sejam típicos "value investors", como driblar ou ignorar todos os ruídos políticos que tanto mexem com as ações na Bolsa?

9) 29:00 - Como uma gestora que busca "valor" acaba se comportando em um ano como 2016, em que a maioria das ações que dispararam eram de empresas com qualidade questionável?

10) 32:00 - Passados esses mais de 20 anos desde a criação da gestora, como vocês vêm a Bolsa sob a ótica de investidor? E qual paralelo é possível fazer entre hoje e outros anos que vocês já passaram no mercado?

11) 35:10 - Vocês são um dos melhores fundos de ações da história do Brasil e estão fechados desde 2006. Mesmo assim, quase todos os fundadores permanecem trabalhando todo dia na gestora. O que vocês ainda ambicionam que não têm ainda nesta carreira profissional tão vitoriosa?

Para ver as outras entrevistas do InfoMoney Fora da Curva, clique aqui.

 

Contato