Em mercados

Sem surpresas, Copom eleva Selic em 0,5 p.p., para 8,5% ao ano

Alta da taxa de juros segue a maioria das projeções dos analistas; inflação segue como principal preocupação

Alexandre Tombini - BC - inflação - 12/09/12
(Antonio Cruz/ABr)

SÃO PAULO - Na quinta reunião do ano, o Copom (Comitê de Política Monetária) confirmou as projeções de mercado, e decidiu, no encontro encerrado nesta quarta-feira (10), por manter um aperto mais expressivo da política monetária em 0,50 ponto percentual, para 8,50% ao ano.

Um ajuste mais forte era esperado pela maioria dos analistas, que manifestavam maior preocupação com a inflação, mesmo com a queda nas projeções de crescimento da economia. No último relatório Focus do Banco Central, os especialistas reduziram suas expectativas para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) nacional: 2,34%, ante projeção anterior de 2,4% para o fim do ano.

As preocupações acerca da inflação tiveram um peso maior frente à decisão do BC. O IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo) de junho, divulgado no último dia 5, mostrou aceleração de 0,26% ante maio, que havia apontado alta de 0,37%. No entanto, o desempenho no acumulado de 12 meses superou o teto estipulado pelo governo para 2013, ficando em 6,70%.

Veja o comunicado na íntegra:

"Dando prosseguimento ao ajuste da taxa básica de juros, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 8,50% ao ano, sem viés.

O Comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Hamilton Vasconcelos Araújo, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques."

 

Contato