Em mercados

Ibovespa abre instável com vencimento de opções e dados dos EUA

Na agenda norte-americana, vendas do varejo caíram em junho, enquanto indústria de Nova York teve recuperação em julho

Bovespa - mesa - corretores - mercado financeiro
(Divulgação/BM&FBovespa)

SÃO PAULO - A volatilidade dá o tom ao início dos negócios na bolsa brasileira no pregão desta segunda-feira (16) por conta de dados mistos sobre a economia norte-americana e do vencimento de opções sobre ações negociadas na BM&FBovespa.

Por volta de 10h20 (hora de Brasília), o Ibovespa tinha leve queda de 0,06% aos 54.229 pontos, após já ter alternado entre perdas e ganhos nesses minutos iniciais de negociação. Dentre os papéis que são negociados, destaque para Usiminas (USIM3, R$ 7,20, -1,91%),  MMX (MMXM3, R$ 5,51, -1,78%),  Transmissão Paulista (TRPL4, R$ 56,96, -1,62%),  BM&FBovespa (BVMF3, R$ 11,14, -1,33%) e Rossi  (RSID3, R$ 4,00, -1,23%).

Com isso, o benchmark reverte o movimento do último pregão, quando fechou em alta de 1,70% aos 54.330 pontos. No ano, o principal índice da bolsa brasileira acumula perdas de 4,27%

Agenda dos EUA
Na agenda norte-americana, as vendas do varejo do país registraram queda de 0,5% no mês de junho, decepcionando os analistas que esperavam alta de 0,2%. Por outro lado, o indicador de atividade manufatureira na região de Nova York mostrou recuperação em julho, ao subir de 2,3 para 7,4 pontos. O número também veio acima do previsto, de 3,8 pontos. 

Mais tarde, às 11h00 (horário de Brasília), será publicado o Business Inventories, responsável por contemplar o nível dos estoques das empresas, considerando os setores atacadista, manufatureiro e varejista.

Indicadores nacionais
Por aqui, o Boletim Focus do Banco Central apresentou novo corte nas projeções para o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2012, desta vez para um patamar inferior a 2%. Economistas ouvidos pelo BC esperam expansão econômica de 1,9% este ano, contra alta de 2,01% apurado no relatório da semana passada.

Também na agenda doméstica, o IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor - Semanal) avançou 0,22% na segunda quadrissemana de julho, taxa 0,03 ponto percentual maior a registrada na última medição. Para o período da tarde, está programada a divulgação da Balança Comercial.

China: recuperação não é estável
Além de indicadores econômicos, os investidores também repercutem declarações feitas pelo primeiro-ministro da China, Wen Jiabao no fim de semana. Ele advertiu que a recuperação econômica não é estável e que as dificuldades podem continuar ainda durante um tempo. Por conta disso, Pequim ampliará as medidas para estimular a economia do país no segundo semestre do ano, segundo o premiê. 

Linha dura
No âmbito da crise europeia, a chanceler da Alemanha Angela Merkel rejeitou as críticas de que cedeu em importantes posições na recente cúpula da União Europeia. Em entrevista à rede de televisão alemã ZDF, ela acrescentou que os empréstimos para refinanciar os bancos espanhóis por meio dos fundos de resgate da Zona do Euro serão sustentados por Madri.

O Parlamento da Alemanha deverá votar sobre o resgate aos bancos da Espanha em 19 de julho. Um dia depois, os ministros de Finanças do bloco do euro se reúnem para concluir o acordo sobre o empréstimo ao sistema bancário espanhol.

 

Contato