Em mercados

Ibovespa descola das bolsas externas e avança 0,37%, rumo à nona alta seguida

Apesar da preocupação com a dívida grega e o desemprego espanhol, índice segue em tendência positiva

SÃO PAULO - O Ibovespa inicia o pregão regular desta sexta-feira (27) rumo à sua nona alta consecutiva, registrando alta de 0,37%, aos 63.185 pontos. As atenções do mercado estão voltadas para o front europeu, com os investidores apreensivos a respeito do desenrolar da crise da dívida da Zona do Euro.

Na Grécia, o dia é de mais negociações entre autoridades e credores privados. Informações dão conta de que o rendimento exigido pelos detentores de títulos durante a reestruturação pode vir a cair dos 4% exigidos anteriormente, o que era uma exigência dos líderes da Zona do Euro.

Nesta manhã, a Espanha revelou que a taxa de desemprego saltou para 22,85% no quarto trimestre do ano passado, totalizando 5,27 milhões de pessoas, contra 21,5% no terceiro trimestre, de acordo com o instituto nacional de estatística. O resultado é o maior em 17 anos, com a economia rumando para a recessão e perspectivas de que esses números aumentem ainda mais em um futuro próximo.

Já na Itália, o rendimento dos títulos públicos de dez anos apontam queda após um leilão no qual o Tesouro do país colocou € 11 bilhões em papéis da dívida de curto prazo. O montante vendido atingiu o objetivo máximo previsto e a taxa de juros exigida pelos investidores ficou abaixo de 2% pela primeira vez desde junho. O país emitiu bônus com vencimento em seis meses, pagando juro médio de 1,969%.

Neste cenário, os mercados europeus registram, em sua maioria, movimentos de baixa, mostrando cautela em relação à dívida grega e o noticiário no velho continente. Miriam Tavares, diretora de câmbio da AGK Corretora, no entanto, afirma que uma correção do benchmark no Brasil dependerá de um mau humor mais intenso no exterior.

PIB dos EUA é destaque
Um dos indicadores que pode intensificar ou aliviar esse viés negativo é o PIB (Produto Interno Bruto) preliminar dos Estados Unidos para o quarto trimestre do ano passado. Além disso, resultados corporativos podem influenciar a sessão de Wall Street e, consequentemente, o Ibovespa por aqui.

A Ford apresentou um lucro de US$ 0,20 por ação durante o último quarto de 2011, menor do que a expectativa do portal norte-americano Briefing.com, de US$ 0,26. Já a Procter & Gamble superou as projeções de mercado, registrando lucros de US$ 1,10 no período, frente a US$ 1,08 aguardados. Agora, o foco fica por conta do balanço da Chevron, divulgado após o pregão.

Destaques do pregão
Entre as maiores altas da carteira teórica do Ibovespa nesta manhã, destaque para as ações de Vanguarda Agro (VAGR3, R$ 0,37, +2,78%), B2W (BTOW3, R$ 9,96, +2,47%), Rossi Residencial (RSID3, R$ 9,92, +2,16%), Hering (HGTX3, R$ 42,45, +1,99%) e Localiza (RENT3, R$ 28,69, +1,81%).

 

Contato